Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-04-16

QUINTA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Branco – Ofício próprio. Te Deum.
Missa própria, Glória, sequência facultativa, pf. pascal.

L 1 Act 3, 11-26; Sal 8, 2ab e 5. 6-7. 8-9
Ev Lc 24, 35-48

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* 93.º aniversário natalício de Bento XVI, Papa emérito (1927).

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Sab 10, 20-21
Os justos celebraram em coro a vossa mão protectora,
Senhor, porque a sabedoria abriu a boca dos mudos
e tornou eloquente a língua das crianças. Aleluia.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, que reunistes os mais diversos povos na confissão do vosso nome, concedei àqueles que renasceram pela água do Baptismo a graça de viverem unidos na fé e na caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 3, 11-26
«Matastes o autor da vida, mas Deus ressuscitou-O dos mortos»

Continua a ouvir-se o grande anúncio: “Cristo foi morto pelos homens, mas Deus ressuscitou-O dos mortos”. É esta afirmação que constitui o objecto da primeira evangelização cristã. Sem a aceitação desta evangelização inicial, não é possível aprofundar o mistério que ela encerra. Esse aprofundamento será depois, num segundo tempo, fruto da catequese posterior. Todo este mistério, o Antigo Testamento o profetiza e o Novo o vê realizado. É ele o objecto da fé da Igreja.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, o coxo de nascença que tinha sido curado não largava Pedro e João e todo o povo, cheio de assombro, acorreu para junto deles, ao pórtico de Salomão. Ao ver isto, Pedro falou ao povo, dizendo: «Homens de Israel, porque vos admirais com isto? Porque fitais os olhos em nós, como se fosse pelo nosso próprio poder ou piedade que fizemos andar este homem? O Deus de Abraão, de Isaac e de Jacob, o Deus de nossos pais, glorificou o seu Servo Jesus, que vós entregastes e negastes na presença de Pilatos, estando ele resolvido a soltá-l’O. Negastes o Santo e o Justo e pedistes a libertação dum assassino; matastes o autor da vida, mas Deus ressuscitou-O dos mortos, e nós somos testemunhas disso. Foi pela fé no seu nome que este homem que vedes e conheceis recuperou as forças; foi a fé que vem de Jesus que o curou completamente, na presença de todos vós. Agora, irmãos, eu sei que agistes por ignorância, como também os vossos chefes. Foi assim que Deus cumpriu o que de antemão tinha anunciado pela boca de todos os Profetas: que o seu Messias havia de padecer. Portanto, arrependei-vos e convertei-vos, para que os vossos pecados sejam perdoados. Assim o Senhor fará que venham os tempos de conforto e vos enviará o Messias Jesus, que de antemão vos foi destinado. Ele terá de ficar no Céu até à restauração universal, que Deus anunciou, desde os tempos antigos, pela boca dos seus santos profetas. Moisés disse: ‘O Senhor Deus fará que se levante para vós, do meio dos vossos irmãos, um profeta como eu. Escutá-lo-eis em tudo quanto vos disser. Quem não escutar esse profeta será exterminado do meio do povo’. E todos os profetas que falaram, desde Samuel e seus sucessores, anunciaram também estes dias. Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus firmou com vossos pais, quando disse a Abraão: ‘Na tua descendência serão abençoadas todas as famílias da terra’. Foi para vós, em primeiro lugar, que Deus fez aparecer o seu Servo e O enviou para vos abençoar, afastando cada um de vós das suas iniquidades».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 8, 4-9 (R. 2a)
Refrão: Como sois grande em toda a terra,
Senhor, nosso Deus! Repete-se

Senhor, nosso Deus,
como é admirável o vosso nome em toda a terra!
Que é o homem para que Vos lembreis dele,
o filho do homem para dele Vos ocupardes? Refrão

Fizestes dele quase um ser divino,
de honra e glória o coroastes;
destes-lhe poder sobre a obra das vossas mãos,
tudo submetestes a seus pés: Refrão

Ovelhas e bois, todos os rebanhos,
e até os animais selvagens,
as aves do céu e os peixes do mar,
tudo o que se move nos oceanos. Refrão


ALELUIA Salmo 117 (118), 24
Refrão: Aleluia. Repete-se
Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria. Refrão


EVANGELHO Lc 24, 35-48
«Assim está escrito que o Messias havia de sofrer
e de ressuscitar dos mortos ao terceiro dia»

Tal como a primeira leitura, também esta insiste na unidade dos dois Testamentos, ambos testemunhas da mesma história da salvação. Para a primitiva comunidade cristã, vinda do povo judeu, esta descoberta era fundamental: o que antes de Cristo fora anunciado tinha agora n’Ele pleno cumprimento. O Novo Testamento, o tempo da plenitude, continua a ser agora testemunha desta Boa Nova entre os povos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, os discípulos de Emaús contaram o que tinha acontecido no caminho e como tinham reconhecido Jesus ao partir do pão. Enquanto diziam isto, Jesus apresentou-Se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco». Espantados e cheios de medo, julgavam ver um espírito. Disse-lhes Jesus: «Porque estais perturbados e porque se levantam esses pensamentos nos vossos corações? Vede as minhas mãos e os meus pés: sou Eu mesmo; tocai-Me e vede: um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho». Dito isto, mostrou-lhes as mãos e os pés. E como eles, na sua alegria e admiração, não queriam ainda acreditar, perguntou-lhes: «Tendes aí alguma coisa para comer?» Deram-Lhe uma posta de peixe assado, que Ele tomou e começou a comer diante deles. Depois disse-lhes: «Foram estas as palavras que vos dirigi, quando ainda estava convosco: ‘Tem de se cumprir tudo o que está escrito a meu respeito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos’». Abriu-lhes então o entendimento para compreenderem as Escrituras e disse-lhes: «Assim está escrito que o Messias havia de sofrer e de ressuscitar dos mortos ao terceiro dia, e que havia de ser pregado em seu nome o arrependimento e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sois as testemunhas de todas estas coisas».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei com bondade, Senhor, as ofertas que Vos apresentamos em acção de graças por aqueles que renasceram no Baptismo e concedei à Igreja o auxílio da vossa protecção. Por Nosso Senhor.
Prefácio pascal I [mas com maior solenidade neste dia]


ANTÍFONA DA COMUNHÃO 1 Pedro 2, 9
Povo resgatado, proclamai as maravilhas do Senhor,
que vos chamou das trevas para a sua luz admirável. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Ouvi, Senhor, as nossas preces e fazei que estes santos mistérios da nossa redenção nos auxiliem na vida presente e nos alcancem as alegrias eternas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Corinto, cidade da Acaia, actualmente na Grécia, os santos mártires Leónidas e sete companheiros[1], que, depois de suportarem vários suplícios, foram afogados no mar.


[1]  São estes os seus nomes: Carissa, Galina, Teodora, Nice, Nunécia, Cális, Basilissa.

 

2.   Em Saragoça, na Hispânia Tarraconense, a comemoração dos santos Optato e dezassete companheiros[2] martires, que, durante a perseguição do imperador Diocleciano, foram torturados e mortos; o seu ilustre martírio foi celebrado em poemas de Prudêncio.


[2]  São estes os seus nomes: Luperco, Sucesso, Marcial, Urbano, Júlia, Quintiliano, Públio, Frontão, Félix, Ceciliano, Evódio, Primitivo, Apodémio e outros quatro chamados Saturnino.

 

3.   Na mesma cidade de Saragoça, a comemoração de Santa Engrácia, virgem e mártir, que, duramente torturada, sobreviveu a todos os suplícios, permanecendo durante algum tempo em seus membros os sinais das suas chagas.

4.   Também em Saragoça, a comemoração dos santos Caio e Cremêncio, que na mesma perseguição venceram as torturas, perseverando na fé de Cristo.

5.   Em Astorga, no reino dos Suevos, também na Hispânia, São Turíbio, bispo, que, por mandato do papa São Leão Magno, combateu fortemente a seita dos priscilianistas que progredia na Hispânia.

6.   Em Braga, na Galécia, hoje em Portugal, São Frutuoso, bispo. A sua memória celebra-se em Portugal no dia cinco de Dezembro, juntamente com a dos bispos São Martinho de Dume e São Geraldo.

7*.   Na Escócia, São Magno, mártir, que era príncipe das ilhas Órcades, quando abraçou a fé cristã; afastado pelo rei da Noruega por ter reclamado contra a arrogância do seu povo e chamado dolosamente a comparecer para firmar um acordo de paz com o seu adversário no principado, apresentou-se sem armas e foi assassinado.

8.   Em Sebourg, no Hainaut, actualmente na França, São Drogão, que, aspirando a uma vida simples e solitária, se fez pastor e peregrino pelo Senhor e terminou o curso dos seus dias recluso numa pequena cela.

9*.   Em Bróni, perto de Pavia, na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Contardo, peregrino, que decidiu viver em extrema pobreza e morreu atingido por uma enfermidade quando ia a caminho de Compostela.

10*.   Em Sena, na Etrúria, o Beato Joaquim, religioso da Ordem dos Servos de Maria, que se distinguiu pela sua singular devoção à Santíssima Virgem e cumpriu a lei de Cristo, tomando sobre si o encargo dos pobres.

11.   Em Roma, São Bento José Labre, que, aspirando desde a adolescência a uma vida de áspera penitência, fez árduas peregrinações a célebres santuários, coberto com uma veste rude e esfarrapada, alimentando-se apenas com o alimento que recebia em esmola e dando exemplo de piedade e penitência por toda a parte onde passava; regressou finalmente a Roma, onde se consagrou a uma vida de oração e suprema pobreza.

12*.   Em Avrillé, junto de Angers, na França, os beatos mártires Pedro Delépine, João Menard e vinte e quatro companheiras[3], quase todos agricultores, que durante a Revolução Francesa foram fuzilados em ódio à fé cristã.


[3]  São estes os seus nomes: Renata Bourgeais, Joana Gourdon, Maria Gingueneau, Francisca Michoneau, Joana Onillon, Renata Séchet, Maria Roger, Francisca Suhard, Joana Tomás, viúvas; Madalena Cady, Maria Piou, Petrina Renata Pottier, Renata Rigault, Joana Maria Leduc, Madalena Sallé, esposas; Maria Genoveva e Marta Poulain de la Forestrie, Petrina Bourigault, Maria Forestier, Maria Lardeux, Petrina Laurent, Ana Maugrain, Margarida Robin, Maria Rochard.

 

13.   Em Nevers, também na França, Santa Maria Bernarda (Bernadete) Soubirous, virgem, que nasceu de uma família muito pobre na povoação de Lourdes e, sendo ainda de tenra idade, experimentou a presença da Virgem Santa Maria Imaculada e depois, tomando o hábito religioso, levou no convento uma vida oculta e humilde.