Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-03-09

SÁBADO depois das Cinzas

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.

L 1 Is 58, 9b-14; Sal 85 (86), 1-2. 3-4. 5-6
Ev Lc 5, 27-32

* Pode celebrar-se a memória de S. Francisca Romana, religiosa, como se indica na p. 33, n. 8.
* Na Ordem Beneditina – Pode celebrar-se a memória de S. Francisca Romana, como se indica na p. 33, n. 8.
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 68, 17
Ouvi-me, Senhor, pela vossa bondade.
Respondei-me, Senhor, pela vossa misericórdia.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, olhai benigno para a nossa fraqueza e protegei-nos com o poder do vosso braço. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 58, 9b-14
«Se deres do teu pão ao faminto, brilhará na escuridão a tua luz»

Na primeira parte desta leitura, insiste-se na prática da caridade para com o próximo, caridade que, muitas vezes, será até exigência da própria justiça. As formas ascéticas da Quaresma devem começar por aqui. A segunda parte, refere-se à santificação, por parte do homem, do dia consagrado ao Senhor, que, na antiga Lei, foi o sábado, e, na nova Lei, é o Domingo. O amor de Deus e o amor do próximo são, de facto, as duas asas do espírito, com que ele para Deus se eleva.

Leitura do Livro de Isaías
Eis o que diz o Senhor: «Se tirares do meio de ti toda a opressão, os gestos de ameaça e as palavras ofensivas, se deres do teu pão ao faminto e matares a fome ao indigente, brilhará na escuridão a tua luz e a tua noite será como o meio-dia. O Se¬-nhor será sempre o teu guia e saciará a tua alma nos lugares desertos. Dará vigor aos teus ossos e tu serás como o jardim bem regado, como nascente cujas águas nunca faltam. Reconstruirás as ruínas antigas e levantarás os alicerces seculares; e serás chamado ‘reparador de brechas’, ‘restaurador de casas em ruínas’. Se te abstiveres de profanar o sábado e de tratar de negócios no dia santificado, se chamares ao sábado as tuas delícias e o consagrares à glória do Senhor, se o respeitares não fazendo viagens, evitando os teus negócios e empreendimentos, então encontrarás no Senhor as tuas delícias; Eu te levarei em triunfo às alturas da terra e farei que te alimentes da herança de teu pai Jacob». Assim falou a boca do Senhor.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 85 (86), 1-2.3-4.5-6 (R. 11a)
Refrão: Ensinai-me, Senhor, o vosso caminho
para que eu ande na vossa presença. Repete-se

Inclinai, Senhor, o vosso ouvido e atendei-me,
porque sou pobre e desvalido.
Defendei a minha vida, pois Vos sou fiel,
salvai o vosso servo que em Vós confia, meu Deus. Refrão

Tende piedade de mim, Senhor,
que a Vós clamo todo o dia.
Alegrai a alma do vosso servo,
porque a Vós, Senhor, elevo a minha alma. Refrão
Vós, Senhor, sois bom e indulgente,
cheio de misericórdia para com todos
os que Vos invocam.
Ouvi, Senhor, a minha oração,
atendei a voz da minha súplica. Refrão


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Ez 33, 11
Refrão: Glória a Vós, Senhor, Filho do Deus vivo. Repete-se
Eu não quero a morte do pecador, diz o Senhor,
mas que se converta e viva. Refrão


EVANGELHO Lc 5, 27-32
«Eu não vim chamar os justos,
vim chamar os pecadores, para que se arrependam»

A história do chamamento de Levi lê-se no início da Quaresma para nos inculcar o sentido último deste tempo litúrgico e nos ajudar a descobrir a intenção profunda do apelo que o Senhor dirige neste tempo à sua Igreja, e, por ela, a todos os homens. O Senhor olha para nós hoje como olhou outrora para Levi, com olhar de misericórdia; e chama-nos como a ele o chamou. A Quaresma é tempo favorável para escutar o seu apelo. E a resposta de Levi é modelo para a nossa resposta.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus viu um publicano chamado Levi, sentado no posto de cobrança, e disse-lhe: «Segue-Me». Ele, dei¬xando tudo, levantou-se e seguiu Jesus. Levi ofereceu-lhe um grande banquete em sua casa. Havia grande número de publicanos e de outras pessoas com eles à mesa. Os fariseus e os escribas murmuravam, dizendo aos discípulos: «Porque comeis e bebeis com os publicanos e os pecadores?» Então Jesus, tomando a palavra, disse-lhes: «Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Eu não vim chamar os justos, vim chamar os pecadores, para que se arrependam».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Por este sacrifício de reconciliação e de louvor, purificai, Senhor, os nossos corações para que se tornem uma oblação agradável a vossos olhos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio da Quaresma


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Mt 9, 13
Antes quero a misericórdia que o sacrifício,
diz o Senhor.
Eu não vim chamar os justos mas os pecadores.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos fortificais com o pão do Céu, fazei que a celebração deste mistério na vida presente seja para nós penhor de vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. FRANCISCA ROMANA, religiosa

 

 

Martirológio

Santa Francisca Romana, religiosa, que, dada em casamento ainda adolescente, viveu em matrimónio durante quarenta anos como esposa e mãe exemplar, admirável pela sua piedade, humildade e paciência. Nos tempos calamitosos que sobrevieram, distribuiu os seus bens pelos pobres, socorreu os enfermos e, após a morte do esposo, retirou-se para viver com as Oblatas que congregara sob a Regra de São Bento em Roma.

 

2.   Em Sebaste, na antiga Arménia, hoje Sivas, na Turquia, a paixão dos santos quarenta soldados da Capadócia, que, unidos não pelo sangue mas pela fé e obediência à vontade do Pai celeste, no tempo do imperador Licínio, depois de sofrerem os cárceres e outros cruéis tormentos, foram expostos nus ao ar livre durante um inverno extremamente frio e obrigados a passar a noite num lago gelado; finalmente, foram-lhes quebradas as pernas e assim consumaram o seu glorioso martírio.

3.   Em Barcelona, na Hispânia Tarraconense, São Paciano, bispo, que, na pregação da fé, afirmava: «Cristão é o meu nome e católico o meu apelido».

4.   No território de Rapolla, na Lucânia, actualmente na Basilicata, região da Itália, São Vital de Castronuovo, monge.

5.   Na Morávia Oriental, hoje na Alemanha, São Bruno, bispo de Querfurt e mártir, que, enquanto acompanhava na Itália o imperador Otão III, fascinado pelo carisma de São Romualdo, abraçou a vida monástica e recebeu o nome de Bonifácio. Depois, regressando à Alemanha e ordenado bispo pelo papa João X, no decurso de uma missão apostólica foi assassinado por idólatras com dezoito companheiros.

6.   Em Bolonha, na Emília-Romanha, região da Itália, Santa Catarina, virgem da Ordem de Santa Clara, que, sendo ilustre nas artes liberais, mas ainda mais ilustre pelos dons místicos e pelas virtudes da penitência e da humildade, foi mestra das virgens consagradas.

7.   Em Mondónio, no Piemonte, região da Itália, São Domingos Sávio, que, dotado de ânimo afável e jovial já desde a infância, ainda adolescente percorreu velozmente o caminho da perfeição cristã.

8.   Em Nei-Ko-Ri, na Coreia, os santos mártires Pedro Ch’oe Hyong e João Baptista Chon Chang-un, pais de família, que, por terem administrado o Baptismo e editado livros cristãos, foram condenados a vários suplícios e permaneceram de tal modo constantes na fé que causaram admiração aos seus perseguidores.