Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-11-26

TERÇA-FEIRA da semana XXXIV

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Dan 2, 31-45; Sal Dan 3, 57. 58. 59. 60. 61
Ev Lc 21, 5-11

* Na Diocese de Santarém – Aniversário da entrada solene de D. José Augusto Traquina Maria.
* Na Ordem Beneditina – S. Silvestre, abade – MF
* Na Ordem Franciscana – S. Leonardo de Porto Maurício, presbítero, da I Ordem – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Leonardo de Porto Maurício, presbítero, da I Ordem – MF
* Na Companhia de Jesus – S. João Berchmans, religioso – MO
* Nas Congregações e Institutos da Família Paulista – B. Tiago Alberione, presbítero, Fundador – FESTA

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 84, 9
O Senhor fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a todos os que a Ele se convertem de coração sincero.


ORAÇÃO COLECTA
Despertai, Senhor, a vontade dos vossos fiéis,
para que, correspondendo mais generosamente
à acção da graça divina,
recebamos maiores auxílios da vossa bondade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Liturgia da palavra: páginas seguintes


LEITURA I (anos ímpares) Dan 2, 31-45
«Deus fará surgir um reino que jamais será destruído
e reduzirá a nada todos os reinos»

Ao fazer a interpretação do sonho do rei, Daniel anuncia a sucessão dos reinos terrenos e a sua destruição até ao aparecimento do reino do Messias, o qual jamais passará, porque é definitivo e eterno. De novo, a palavra de Deus, hoje por meio do profeta Daniel, nos revela o mistério da história, que é algo de muito mais profundo do que a simples enumeração dos acontecimentos ou até a sua interpretação puramente racional. A história encerra realmente um mistério: nela se vai revelando o desígnio de Deus sobre o mundo, que só a própria palavra de Deus nos pode fazer compreender.

Leitura da Profecia de Daniel
Naqueles dias, Daniel disse ao rei Nabucodonosor: «Tu, ó rei, tiveste esta visão: apareceu uma grande estátua, uma estátua gigantesca e de extraordinário esplendor: erguia-se diante de ti e o seu aspecto era terrível. A cabeça da estátua era de ouro fino, o peito e os braços eram de prata, o ventre e as coxas eram de bronze, as pernas eram de ferro e os pés eram em parte de ferro e em parte de barro. Estavas a olhar para ela, quando uma pedra se deslocou sem intervenção de mão alguma e foi bater nos pés da estátua, que eram de ferro e de barro, e reduziu-os a pó. Então pulverizaram-se ao mesmo tempo o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, e ficaram como a moinha das eiras no verão: levou-os o vento e não ficou rasto deles. A pedra que tinha batido na estátua tornou-se uma grande montanha e encheu toda a terra. Foi esse o sonho; e daremos a sua interpretação diante do rei: Tu, ó rei, és o rei dos reis, a quem o Deus do Céu deu a realeza, o poder, a força e a glória. Ele entregou-te nas mãos os filhos dos homens, os animais dos campos e as aves do céu, onde quer que eles habitem, e fez-te senhor de todos eles. És tu a cabeça de ouro. Depois de ti surgirá outro reino, inferior ao teu; a seguir, um terceiro reino, um reino de bronze, que dominará toda a terra. E haverá um quarto reino, duro como o ferro. Assim como o ferro tudo esmaga e despedaça, esse reino esmagará e despedaçará todos os outros. Os pés e os dedos que viste, em parte de barro de oleiro e em parte de ferro, significam um reino dividido. Terá a solidez do ferro e por isso viste o ferro misturado com o barro mole. Mas se os dedos dos pés eram em parte de ferro e em parte de barro, é porque o reino será em parte forte e em parte frágil. Viste o ferro misturado com a argila: assim também as duas partes se hão-de ligar por geração humana; mas não se hão-de unir solidamente, como o ferro não pode misturar-se com o barro. No tempo desses reis, o Deus do Céu fará surgir um reino que jamais será destruído e cuja soberania nunca passará a outro povo. Esmagará e reduzirá a nada todos esses reinos, mas ele permanecerá para sempre. É o que significa a pedra que viste desprender-se da montanha sem intervenção de mão alguma e pulverizar o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. O grande Deus fez saber ao rei o que vai acontecer em seguida. O sonho é verdadeiro e fidedigna a sua explicação».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Dan 3, 57.58.59.60.61 (R. 59b)
Refrão: Louvai o Senhor, exaltai-O para sempre. Repete-se

Obras do Senhor, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Céus, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Anjos do Senhor, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Águas que estais sobre os céus, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Poderes do Senhor, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão


ALELUIA Ap 2, 10c
Refrão: Aleluia. Repete-se
Sê fiel até à morte, diz o Senhor,
e dar-te-ei a coroa da vida. Refrão


EVANGELHO Lc 21, 5-11
«Não ficará pedra sobre pedra»

Jesus anuncia a ruína de Jerusalém, a partir da observação que alguns fazem, chamando-Lhe a atenção para a beleza do templo. De facto, o templo e a cidade foram destruídos, pisados pelos pagãos, e o culto de Deus substituído, pelo menos durante algum tempo, pelo culto de ídolos. É que, antes de os lugares terem sido profanados, já o coração dos homens o tinha sido.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, comentavam alguns que o templo estava ornado com belas pedras e piedosas ofertas. Jesus disse-lhes: «Dias virão em que, de tudo o que estais a ver, não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído». Eles perguntaram-Lhe: «Mestre, quando sucederá isto? Que sinal haverá de que está para acontecer?». Jesus respondeu: «Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis: é preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim». Disse-lhes ainda: «Há-de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. Haverá grandes terramotos e, em diversos lugares, fomes e epidemias. Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, estes dons sagrados
que nos mandastes oferecer em honra do vosso nome
e fazei que, obedecendo sempre aos vossos mandamentos,
nos tornemos também nós
uma oblação agradável aos vossos olhos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 116, 1-2
Louvai o Senhor, povos de toda a terra,
porque é eterna a sua misericórdia.

Ou Mt 28, 20
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso e eterno,
não permitais que se separem de Vós
aqueles a quem destes a graça
de participar neste divino sacramento.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Roma, no cemitério de Priscila, junto à Via Salária Nova, São Sirício, papa, que Santo Ambrósio louva como verdadeiro mestre, porque, tomando sobre si a responsabilidade de todos os bispos, os instruiu com os ensinamentos dos santos Padres e os confirmou com a sua autoridade apostólica.

2.   Em Adrianópolis, na Paflagónia, na hodierna Turquia, Santo Alípio, diácono e estilita, que morreu quase centenário.

3.   Em Konstanz, na Suábia, em território da actual Alemanha, São Conrado, bispo, óptimo pastor da sua grei, que distribuiu generosamente os seus bens em favor da Igreja e dos pobres.

4.   Em Lacedemónia, no Peloponeso, território da Grécia, São Nicão, monge, que, depois de uma vida cenobítica e eremítica na província da Ásia, trabalhou com zelo evangélico para restaurar a vida cristã na ilha de Creta, recém-liberta do jugo dos Sarracenos; depois partiu para a Grécia a pregar a penitência, até que faleceu no mosteiro de Esparta, por ele fundado.

5.   Na floresta próxima de Fratta, no território de Rovigo, hoje no Véneto, região da Itália, a paixão de São Belino, bispo de Pádua e mártir, insigne defensor da Igreja, que, cruelmente espancado por sicários, morreu em consequência das lesões recebidas.

6*.   No mosteiro dos Cónegos Regrantes de Sixt, na Savóia, território da França, o Beato Pôncio de Faucigny, que foi abade de Abondance e, renunciando ao cargo, quis morrer como simples religioso.

7.   Perto de Fabriano, nas Marcas, região da Itália, São Silvestre Gozzolíni, abade, que, profundamente convencido da vaidade de todas as coisas do mundo diante da sepultura aberta de um amigo pouco antes falecido, se retirou para o ermo, mudando várias vezes de sítio para permanecer mais oculto aos homens, e, por fim, num lugar deserto, próximo de Montefano, lançou as bases da Congregação dos Silvestrinos, sob a regra de São Bento.

8*.   Em Apt, na Provença, região da França, a Beata Delfina, esposa de Santo Eleázar de Sabran, com o qual fez voto de guardar castidade e, depois da morte do seu esposo, viveu em pobreza e dedicada à oração.

9*.   Em York, na Inglaterra, os beatos mártires Hugo Taylor, presbítero, e Marmaduco Bowes: o primeiro, ainda jovem, por ser sacerdote, e o segundo, já ancião, por tê-lo ajudado, foram ambos condenados ao suplício do patíbulo no reinado de Isabel I.

10.   Em Bisignano, na Calábria, região da Itália, Santo Humilde (Lucas António) Pirozzo, religioso da Ordem dos Frades Menores, célebre pelo seu dom de profecia e frequentes êxtases.

11.   Em Roma, no convento de São Boaventura, no Palatino, São Leonardo de Porto Maurício, presbítero da Ordem dos Frades Menores, que, cheio de zelo pelas almas, passou quase toda a sua vida na pregação, na publicação de livros de piedade e em mais de trezentas missões pregadas em Roma, na ilha da Córsega e por toda a Itália setentrional.

12.   Em Nam Dinh, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, os santos Tomás Dinh Viet Du e Domingos Hguyen Van (Doan) Xuyên, presbíteros da Ordem dos Pregadores e mártires, que foram degolados ao mesmo tempo, por ordem do imperador Minh Mang.

13*.   Em Bassano, próximo de Vicenza, na Itália, a Beata Caetana Stérni, religiosa, que, tendo ficado viúva ainda jovem, se dedicou totalmente ao serviço dos pobres e fundou a Congregação das Irmãs da Vontade Divina, destinada à assistência dos pobres e dos enfermos.

14*.   Em Roma, o Beato Tiago Alberione, presbítero, que, intensamente solícito pela evangelização, se dedicou com toda a sua energia a pôr ao serviço da sociedade humana os instrumentos da comunicação social e para isso fundou a Congregação da Pia Sociedade de São Paulo Apóstolo.