Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-11-25

SEGUNDA-FEIRA da semana XXXIV

S. Catarina Alexandrina, virgem e mártir – MF
Verde ou verm. – Ofício da féria ou da memória
(Semana II do Saltério).
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Dan 1, 1-6. 8-20; Sal Dan 3, 52. 53 e 54. 55 e 56
Ev Lc 21, 1-4
* Na Diocese de Santarém – Aniversário da tomada de posse de D. José Augusto Traquina Maria.
* No Ordinariado Castrense – Aniversário da Ordenação episcopal de D. Rui Manuel Sousa Valério, Bispo das Forças Armadas e de Segurança (2018).
* No Patriarcado de Lisboa – Aniversário da Ordenação episcopal de D. Daniel Batalha Henriques, Bispo Auxiliar (2018).
* Na Diocese de Vila Real – Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE (transferida); nas outras igrejas da Diocese – Ofício e Missa da féria ou da memória.
* Na Ordem Cartusiana – B. Beatriz, monja – FESTA
* Na Ordem Franciscana – Comemoração de todos os defuntos da Ordem Franciscana.
* Na Congregação Salesiana – Em cada casa, Missa pelos pais falecidos dos Salesianos.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 84, 9
O Senhor fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a todos os que a Ele se convertem de coração sincero.


ORAÇÃO COLECTA
Despertai, Senhor, a vontade dos vossos fiéis,
para que, correspondendo mais generosamente
à acção da graça divina,
recebamos maiores auxílios da vossa bondade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Liturgia da palavra: páginas seguintes


LEITURA I (anos ímpares) Dan 1, 1-6.8-20
«Não havia quem se comparasse a Daniel, Ananias, Misael e Azarias»

O livro de Daniel é um livro escrito para um tempo de crise e de perseguição, provavelmente em relação com as lutas do tempo dos Macabeus. Contém narrações e profecias, estas escritas em estilo apocalíptico, que falam sobretudo por meio de imagens. A narração que hoje se lê é imaginada no tempo do exílio de Babilónia e pretende incutir o respeito pela observância da lei. A questão da comida é apenas um exemplo, mas que mostra como Deus recompensa quem lhe é fiel.

Leitura da Profecia de Daniel
No terceiro ano do reinado de Joaquim, rei de Judá, Nabucodonosor, rei de Babilónia, veio cercar Jerusalém. O Senhor entregou-lhe nas mãos Joaquim, rei de Judá, e uma parte dos objectos do templo de Deus. Ele levou-os para a terra de Sinear e depositou-os no tesouro do templo do seu deus. Depois o rei mandou a Aspenaz, chefe do pessoal do palácio, que trouxesse de entre os filhos de Israel alguns jovens de sangue real ou de família nobre, sem defeito, de boa presença, dotados de toda a sabedoria, instruídos, inteligentes e cheios de vigor, a fim de os colocar no palácio do rei e ensinar-lhes a literatura e a língua dos caldeus. O rei fixou-lhes uma provisão diária da sua mesa e do vinho que ele bebia, ordenando que fossem educados durante três anos e depois entrariam ao serviço do rei. Entre eles havia alguns filhos de Judá: Daniel, Ananias, Misael e Azarias. Daniel fez o propósito firme de não se contaminar com o alimento do rei e o vinho que ele bebia. Pediu ao chefe do palácio que não o obrigasse a manchar-se e Deus fez que Daniel ganhasse a simpatia do chefe do pessoal do palácio. Mas o chefe do pessoal disse a Daniel: «Tenho medo do rei, meu senhor, que vos determinou o alimento e a bebida. Se ele vir as vossas fisionomias mais abatidas que a dos jovens da vossa idade, pondes a minha cabeça em perigo diante do rei». Daniel disse ao guarda a quem o chefe do pessoal tinha confiado Daniel, Ananias, Misael e Azarias: «Peço-te que ponhas à prova os teus servos durante dez dias: dá-nos apenas legumes para comer e água para beber. Depois verás o nosso aspecto e o dos jovens que comem do alimento real e procederás com os teus servos conforme o que tiveres visto». O guarda consentiu no que eles lhe propuseram e pô-los à prova durante dez dias. E notou-se, ao fim dos dez dias, que eles tinham melhor aspecto e estavam mais nutridos do que todos os jovens sustentados pelo alimento real. Então o guarda retirou-lhes o alimento que lhes era destinado e o vinho que deviam beber e continuou a dar-lhes legumes. Deus concedeu a esses quatro jovens a ciência e o conhecimento de toda a escritura e de toda a sabedoria e a Daniel a inteligência de todas as visões e sonhos. Ao fim do tempo fixado pelo rei para que os vários jovens lhe fossem apresentados, o chefe do pessoal levou-os à presença de Nabucodonosor. O rei conversou com eles e não havia entre todos quem se comparasse a Daniel, Ananias, Misael e Azarias, que por isso ficaram ao serviço do rei. Sempre que o rei os consultava em questões de sabedoria e inteligência, verificava que eles eram dez vezes superiores aos magos e adivinhos que havia em todo o seu reino.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Dan 3, 52.53 e 54.55 e 56 (R. 52b)
Refrão: Digno é o Senhor
de louvor e de glória para sempre. Repete-se

Bendito sejais, Senhor, Deus dos nossos pais:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito o vosso nome glorioso e santo:
digno de louvor e de glória para sempre. Refrão

Bendito sejais no templo santo da vossa glória:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no trono da vossa realeza:
digno de louvor e de glória para sempre. Refrão

Bendito sejais, Vós que sondais os abismos
e estais sentado sobre os Querubins:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no firmamento do céu:
digno de louvor e de glória para sempre. Refrão


ALELUIA Mt 24, 42a.44
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vigiai e estai preparados,
para vos apresentardes
sem temor diante do Filho do homem. Refrão


EVANGELHO Lc 21, 1-4
«Viu uma viúva muito pobre deitar duas pequenas moedas»

Aos olhos de Deus é o coração do homem que dá o sentido a todas as suas atitudes e acções, e não as aparências. O muito e o pouco aos olhos de Deus está no amor que anima o coração e não no valor material das coisas. É o olhar de Deus o único que pode dar o justo valor a cada acção humana.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus levantou os olhos e viu os ricos deitarem na arca do Tesouro as suas ofertas. Viu também uma viúva muito pobre deitar duas pequenas moedas. Então Jesus disse: «Em verdade vos digo: Esta viúva pobre deu mais do que todos os outros. Todos eles deram do que lhes sobrava; mas ela, na sua penúria, ofereceu tudo o que possuía para viver».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, estes dons sagrados
que nos mandastes oferecer em honra do vosso nome
e fazei que, obedecendo sempre aos vossos mandamentos,
nos tornemos também nós
uma oblação agradável aos vossos olhos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 116, 1-2
Louvai o Senhor, povos de toda a terra,
porque é eterna a sua misericórdia.

Ou Mt 28, 20
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso e eterno,
não permitais que se separem de Vós
aqueles a quem destes a graça
de participar neste divino sacramento.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

Santa Catarina, mártir, que, segundo a tradição, foi uma virgem de Alexandria, dotada de subtil inteligência e sabedoria, bem como de fortaleza de ânimo. O seu corpo venera-se piedosamente no célebre cenóbio do monte Sinai.

 

2.   Em Cesareia, na Capadócia, hoje Kayseri, na Turquia, São Mercúrio, mártir.

3.   Em Roma, a comemoração de São Moisés, presbítero e mártir, que, no tempo do imperador Décio, depois de ter sido martirizado o papa São Fabião, decidiu assumir, juntamente com o colégio dos presbíteros, o cuidado dos irmãos desta Igreja; determinou que devia conceder-se a reconciliação aos renegados enfermos e moribundos e, durante o longo tempo em que esteve detido no cárcere, recebia constantemente o conforto das cartas de São Cipriano de Cartago, sendo finalmente coroado com um martírio glorioso e admirável.

4.   Em Alexandria, no Egipto, São Pedro, bispo e mártir, que, dotado de todas as virtudes, foi decapitado por ordem do imperador Galério Máximo, sendo a última vítima e o selo dos mártires na grande perseguição contra a Igreja. Com ele se comemoram três bispos egípcios – Hesíquio, Pacómio e Teodoro – e muitos outros mártires, que, também em Alexandria, na mesma perseguição, cruelmente assassinados ao fio da espada, subiram ao Céu.

5.   Na Numídia, em território da actual Argélia, São Márculo, bispo, que, segundo a tradição, morreu mártir no tempo do imperador Constante, despenhado de um rochedo por um certo Macário.

6*.   No território de Agen, na Aquitânia, actualmente na França, São Maurino, mártir, que, dedicado à evangelização do povo rural, segundo a tradição foi cruelmente assassinado pelos pagãos.

7*.   No território de Valence, na Gália, também na hodierna França, a Beata Beatriz de Ornacieux, virgem da Ordem Cartusiana, insigne pelo amor à Cruz, que viveu e morreu em extrema pobreza no mosteiro de Eymeu, por ela fundado.

8*.   Em Reute, na Suábia, em território da actual Alemanha, a Beata Isabel Achler, apelidada a Boa, virgem, que, vivendo como reclusa na Ordem Terceira Regular de São Francisco, praticou admiravelmente a humildade, a pobreza e a mortificação corporal.

9.   Em Seul, na Coreia, São Pedro Yi Ho-yong, mártir, que, sendo catequista, foi capturado pelas milícias, juntamente com sua irmã Santa Águeda Yi So-sa e, permanecendo firme na confissão da fé, depois de lhe terem quebrado os ossos por três vezes, ficou detido quatro anos no cárcere, onde finalmente morreu; foi o primeiro da gloriosa falange de mártires desta nação. 

10*.   Em Puebla de Híjar, localidade próxima de Teruel, na Espanha, o Beato Jacinto Serrano López, da Ordem dos Pregadores e mártir, que foi fuzilado na perseguição contra a Igreja. Com ele comemora-se o beato mártir Tiago Meseguer Burillo, presbítero da mesma Ordem, que, por Cristo, em dia desconhecido, consumou em Barcelona o glorioso combate.