Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-11-20

QUARTA-FEIRA da semana XXXIII

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 2 Mac 7, 1. 20-31; Sal 16 (17), 1. 5-6. 8b-9a e 15
Ev Lc 19, 11-28

* Na Diocese do Funchal – Aniversário da Ordenação episcopal de D. Nuno Brás da Silva Martins (2011).
* Na Diocese de Lamego – Aniversário da dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE; nas outras igrejas da Diocese – FESTA
* Na Congregação da Apresentação de Maria – I Vésp. da Apresentação de Nossa Senhora.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Jer 29, 11.12.14
Os meus pensamentos são de paz
e não de desgraça, diz o Senhor.
Invocar-Me-eis e atenderei o vosso clamor,
e farei regressar os vossos cativos de todos os lugares da terra.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, concedei-nos a graça
de encontrar sempre a alegria no vosso serviço,
porque é uma felicidade duradoira e profunda
ser fiel ao autor de todos os bens.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) 2 Mac 7, 1.20-31
«O Criador do mundo vos restituirá o espírito e a vida»

Uma das mais belas páginas deste livro é o martírio dos sete irmãos e de sua mãe, nada inferiores às Actas dos futuros mártires cristãos. É notável neste episódio, como em toda a tradição do povo judeu, a força e o poder da tradição vivida na família e na comunidade. Só essa comunhão de vida, bebida com o leite materno e alimentada com a experiência de uma fé diariamente vivida em comum, era capaz de levar aos heroísmos do martírio a que esta mãe conduziu os seus filhos.

Leitura do Segundo Livro dos Macabeus
Naqueles dias, foram presos sete irmãos, juntamente com a mãe, e o rei da Síria quis obrigá-los, à força de azorragues e nervos de boi, a comer carne de porco, proibida pela Lei. Eminentemente admirável e digna de memória foi a mãe, que, vendo morrer num só dia os seus sete filhos, tudo suportou com firme serenidade, pela esperança que tinha no Senhor. Exortava cada um deles na sua língua pátria e, cheia de nobres sentimentos, juntava uma coragem varonil à ternura de mulher. Ela dizia-lhes: «Não sei como aparecestes no meu seio, porque não fui eu que vos dei o espírito e a vida, nem fui eu que ordenei os elementos de cada um de vós. Por isso, o Criador do mundo, que é o autor do nascimento e origem de todas as coisas, vos restituirá, pela sua misericórdia, o espírito e a vida, porque vos desprezais agora a vós mesmos por amor das suas leis». Então o rei Antíoco julgou-se insultado e suspeitou que aquelas palavras o ultrajavam. Como o filho mais novo ainda estava vivo, não só começou a exortá-lo com palavras, mas também lhe prometeu com juramento que o tornaria rico e feliz, se ele abandonasse as tradições dos seus antepassados. Faria dele seu amigo, confiando-lhe altas funções. Como o jovem não lhe deu a menor atenção, o rei chamou a mãe à sua presença e exortou-a a aconselhar o jovem para lhe salvar a vida. Depois de muita insistência do rei, ela consentiu em persuadir o filho. Inclinou-se para ele e, ludibriando o tirano, assim lhe falou na língua pátria: «Filho, tem compaixão de mim, que te trouxe nove meses no meu seio, te amamentei durante três anos, te criei e eduquei até esta idade, provendo sempre ao teu sustento. Peço-te, meu filho, olha para o Céu e para a terra, contempla tudo o que neles existe e reconhece que Deus os criou do nada, assim como a todo o género humano. Não temas este carrasco, mas sê digno dos teus irmãos e aceita a morte, para que eu te possa encontrar com eles no dia da misericórdia divina». Apenas ela acabou de falar, o jovem exclamou: «Por que esperais? Eu não obedeço às ordens do rei. Obedeço aos mandamentos da Lei que foi dada por Moisés aos nossos antepassados. E tu, inventor de todos os males contra os hebreus, não escaparás às mãos de Deus».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 16 (17), 1.5-6.8b-9a e 15 (R. 15b)
Refrão: Senhor, ficarei saciado,
quando surgir a vossa glória. Repete-se

Ouvi, Senhor, uma causa justa,
atendei a minha súplica.
Escutai a minha oração,
feita com sinceridade. Refrão

Firmai os meus passos nas vossas veredas,
para que não vacilem os meus pés.
Eu Vos invoco, ó Deus, respondei-me,
ouvi e escutai as minhas palavras. Refrão

Protegei-me à sombra das vossas asas,
longe dos ímpios que me fazem violência.
Senhor, mereça eu contemplar a vossa face
e ao despertar saciar-me com a vossa imagem. Refrão


ALELUIA cf. Jo 15, 16
Refrão: Aleluia. Repete-se
Eu vos escolhi do mundo, para que vades e deis fruto
e o vosso fruto permaneça, diz o Senhor. Refrão


EVANGELHO Lc 19, 11-28
«Porque não entregaste ao banco o meu dinheiro?»

O tempo que medeia entre o regresso de Cristo para junto do Pai e a sua vinda no fim dos tempos é o tempo em que os seus discípulos hão-de fazer frutificar os dons que o Senhor confia à sua Igreja e a cada um dos seus membros. É o tempo de acreditar, de trabalhar, de merecer, com perseverança e caridade. Além disso, esta parábola vem muito a propósito ao chegarmos ao termo do ciclo do tempo litúrgico anual. A perspectiva das contas que todos havemos de dar a Deus do uso que fizemos dos dons que Ele nos confiou não pode desaparecer da frente dos nossos olhos, não para nos aterrar, mas para nos orientar no caminho, sempre iluminado pela esperança e pelo desejo da vida eterna em Deus.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus uma parábola, porque estava perto de Jerusalém e eles pensavam que o reino de Deus ia manifestar-se imediatamente. Então Jesus disse: «Um homem nobre foi para uma região distante, a fim de ser coroado rei e depois voltar. Antes, porém, chamou dez dos seus servos e entregou-lhes dez minas, dizendo: ‘Fazei-as render até que eu volte’. Ora os seus concidadãos detestavam-no e mandaram uma delegação atrás dele para dizer: ‘Não queremos que ele reine sobre nós’. Quando voltou, investido do poder real, mandou chamar à sua presença os servos a quem entregara o dinheiro, para saber o que cada um tinha lucrado. Apresentou-se o primeiro e disse: ‘Senhor, a tua mina rendeu dez minas’. Ele respondeu-lhe: ‘Muito bem, servo bom! Porque foste fiel no pouco, receberás o governo de dez cidades’. Veio o segundo e disse-lhe: ‘Senhor, a tua mina rendeu cinco minas’. A este respondeu igualmente: ‘Tu também, ficarás à frente de cinco cidades’. Depois veio o outro e disse-lhe: ‘Senhor, aqui está a tua mina, que eu guardei num lenço, pois tive medo de ti, que és homem severo: levantas o que não depositaste e colhes o que não semeaste’. Disse-lhe o senhor: ‘Servo mau, pela tua boca te julgo. Sabias que sou homem severo, que levanto o que não depositei e colho o que não semeei. Então, porque não entregaste ao banco o meu dinheiro? No meu regresso tê-lo-ia recuperado com juros’. Depois disse aos presentes: ‘Tirai-lhe a mina e dai-a ao que tem dez’. Eles responderam-lhe: ‘Senhor, ele já tem dez minas!’. O rei respondeu: ‘Eu vos digo: A todo aquele que tem se dará mais, mas àquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. Quanto a esses meus inimigos, que não me quiseram como rei, trazei-os aqui e degolai-os na minha presença’». Dito isto, Jesus seguiu, à frente do povo, para Jerusalém.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Senhor,
que os dons oferecidos para glória do vosso nome
nos obtenham a graça de Vos servirmos fielmente
e nos alcancem a posse da felicidade eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 72, 28
A minha alegria é estar junto de Deus,
buscar no Senhor o meu refúgio.

Ou Mc 11, 23.24
Tudo o que pedirdes na oração
vos será concedido, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Depois de recebermos estes dons sagrados,
humildemente Vos pedimos, Senhor:
o sacramento que o vosso Filho
nos mandou celebrar em sua memória
aumente sempre a nossa caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, São Basílio, mártir.

2.   Em Ástigi, na Hispânia Bética, hoje Écija, na Espanha, São Crispim, bispo e mártir.

3.   Em Doróstoro, na Mésia, hoje Silistra, na Bulgária, São Dásio, mártir.

4.   Em Turim, na Ligúria, hoje no Piemonte, região da Itália, os santos Octávio, Solutor e Adventor, mártires.

5*.   Em Vercelas, também na Ligúria, no actual Piemonte, São Teonesto, mártir, em cuja honra Santo Eusébio edificou uma basílica.

6*.   Em Benevento, na Campânia, também região da Itália, São Doro, bispo.

7.   Em Chalons-sur-Saône, na Borgonha, agora na França, São Silvestre, bispo, que aos quarenta anos do seu sacerdócio, pleno de dias e de virtudes, foi ao encontro do Senhor.

8*.   No monte Jura, no território de Lião, também na actual França, Santo Hipólito, abade e bispo.

9.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Gregório Decapolita, monge, que, depois de ter professado a vida monástica e mais tarde anacoreta, se fez peregrino, detendo-se muito tempo em Tessalónica e finalmente em Constantinopla, onde lutou energicamente pelo culto das imagens sagradas e entregou a sua alma a Deus.

10.   Na Inglaterra, Santo Edmundo, mártir, que, sendo rei dos Anglos orientais, foi capturado na batalha contra os invasores pagãos e, pela sua profissão de fé em Cristo, mereceu ser coroado com o martírio.

11.   Em Hildesheim, na Saxónia da Germânia, hoje na Alemanha, São Bernuardo, bispo, que defendeu os seus fiéis das invasões, restaurou a disciplina do clero em numerosos sínodos e promoveu a vida monástica.

12*.   Na Calábria, região da Itália, São Cipriano, abade de Calamízzi, que conservou fielmente as normas e os exemplos dos Padres orientais, foi severo para consigo e generoso para com os pobres e bom conselheiro para todos.

13.   Em Hanoi, no Tonquim, hoje no Vietnam, São Francisco Xavier Can, mártir, que, sendo catequista, por causa da sua fé foi estrangulado e degolado no tempo do imperador Minh Mang.

14*.   Em Véroli, no Lácio, região da Itália, a Beata Maria Fortunata (Ana Félix Víti), da Ordem de São Bento, que exerceu o serviço de roupeiro quase toda a sua vida, procurando sempre cumprir de todo o coração os preceitos da Regra.

15*.   Próximo de Valência, na Espanha, as beatas Ângela de São José (Francisca Lloret Marti) e catorze companheiras[1], virgens e mártires – uma era superiora geral e as outras religiosas da Congregação da Doutrina Cristã –, que padeceram por causa da sua fé em Cristo, durante a perseguição religiosa na devastadora guerra civil.

 


[1]  São estes os seus nomes: Maria do Sufrágio (Antónia Maria Orts Baldó), Maria das Dores (Maria de Montserrat Llimona Planas), Teresa de São José (Ascensão Duart y Roig), Isabel Ferrer Sabriá, Maria da Assunção (Josefa Mongoche Homs), Maria da Conceição (Emília Martí Lacal), Maria da Graça (Paula de Santo António), Coração de Jesus (Maria da Purificação Gómez Vives), Maria do Socorro (Teresa Jiménez Baldoví), Maria das Dores (Gertrudes Surís Brusola), Inácia do Santíssimo Sacramento (Josefa Pascual Pallardó), Maria do Rosário (Catarina Calpe Ibáñez), Maria da Paz (Maria Isabel López Garcia) e Marcela de São Tomás (Áurea Navarro).

 

16*.   Em Picadero de Paterna, também perto de Valênçia, a Beata Maria dos Milagres Ortells Gimeno, virgem da Ordem das Clarissas Capuchinhas e mártir, que durante a mesma perseguição, foi coroada pelo martírio no testemunho de Cristo.