Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-09-29

SÁBADO da semana XXV

S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael, Arcanjos – FESTA
Branco – Ofício da festa. Te Deum.
Missa própria, Glória, pf. dos Anjos.

L 1 Dan 7, 9-10. 13-14 ou Ap 12, 7-12a; Sal 137, 1-2a. 2b-3. 4-5
Ev Jo 1, 47-51

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* Na Diocese de Beja – Aniversário da Ordenação episcopal de D. António Vitalino Fernandes Dantas (1996).
* Na Diocese de Portalegre-Castelo Branco – S. Miguel, Titular da Igreja Concatedral de Castelo Branco – SOLENIDADE
* Na Ordem Beneditina – S. Miguel e todos os Santos Anjos – FESTA
* Na Congregação dos Missionários do Coração de Maria – S. Miguel e todos os Anjos – FESTA
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA
Eu sou a salvação do meu povo, diz o Senhor.
Quando chamar por Mim nas suas tribulações,
Eu o atenderei e serei o seu Deus para sempre.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que fizestes consistir a plenitude da lei
no vosso amor e no amor do próximo,
dai-nos a graça de cumprirmos este duplo mandamento,
para alcançarmos a vida eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Co 11, 9 – 12, 8
«Lembra-te do teu Criador nos dias da juventude,
antes que o pó volte à terra e o espírito regresse para Deus»

Se cada coisa tem o seu tempo, também a vida de cada um de nós conhecerá dias de frescura e sonho, como são os da juventude, e dias carregados de experiências dolorosas, como são os da velhice. Mas, nem os primeiros, com as alegrias e prazeres próprios dessa idade e que são dons de Deus para serem bem aproveitados, nem os últimos, com a cor cinzenta do entardecer, hão-de fazer esquecer o Criador, origem da vida e que nos acompanha sempre em todos os momentos do nosso peregrinar por este mundo. O autor sagrado descreve esta curva, da mocidade à velhice, num poema cheio de imagens muito belas, tiradas da observação da vida e dos ritmos da natureza.

Leitura do Livro de Coelet
Regozija-te, ó jovem, durante a mocidade e sê feliz na flor dos teus anos. Segue os caminhos do teu coração e os atractivos dos teus olhos, mas tem presente que Deus te pedirá contas de tudo isto. Lança fora do teu coração a tristeza e afasta do teu corpo o sofrimento, porque a juventude e flor da idade são efémeras. Lembra-te do teu Criador nos dias da juventude, antes de chegarem os dias maus e de virem os anos em que dirás: «Eles não me agradam nada»; antes de escurecerem o sol, a luz, a lua e as estrelas, e de voltarem as nuvens depois da chuva; quando começarem a tremer os guardas da casa e a vergarem-se os homens robustos; quando as mulheres, uma após outra, deixarem de moer e caírem na obscuridade as que olham pelas janelas; quando se fecharem as portas que dão para a rua e afroixar o ranger do moinho; quando se calar a voz do passarinho e acabarem todas as canções; quando se começa a temer a subida e a tremer durante a caminhada. E enquanto a amendoeira floresce, o gafanhoto se torna pesado e a alcaparra deixa cair os seus frutos, o homem enca¬minha-se para a sua morada eterna e os carpidores percorrem as ruas. Lembra-te do teu Criador, antes que se rompa o fio de prata e se quebre a lâmpada de ouro, que a bilha se parta junto à fonte e a roldana rebente no poço, que o pó regresse à terra de onde veio e o espírito volte para Deus que o criou. Vaidade das vaidades – diz Coelet – tudo é vaidade.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 89 (90), 3-4.5-6.12-13.14 e 17 (R. 1)
Refrão: Senhor, tendes sido o nosso refúgio
através das gerações. Repete-se

Vós os arrebatais como um sonho,
como a erva que de manhã reverdece;
de manhã floresce e viceja,
de tarde ela murcha e seca. Refrão

Ensinai-nos a contar os nossos dias,
para chegarmos à sabedoria do coração.
Voltai, Senhor! Até quando...
Tende piedade dos vossos servos. Refrão

Saciai-nos desde a manhã com a vossa bondade,
para nos alegrarmos e exultarmos todos os dias.
Desça sobre nós a graça do Senhor, nosso Deus.
Confirmai, Senhor, a obra das nossas mãos. Refrão


ALELUIA cf. 2 Tim 1, 10
Refrão: Aleluia. Repete-se
Jesus Cristo, nosso Salvador, destruiu a morte
e fez brilhar a vida por meio do Evangelho. Refrão


EVANGELHO Lc 9, 43b-45
«O Filho do homem vai ser entregue.
Eles tinham medo de O interrogar sobre tal assunto»

O mistério da Cruz, que não é outro senão o mistério Pascal da salvação do mundo em Cristo morto e ressuscitado, domina toda a vida de Jesus. Para os discípulos de todos os tempos, ele será sempre uma realidade misteriosa, difícil de ser acreditada. No entanto, é nele que se revela todo o mistério de Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, estavam todos admirados com tudo o que Jesus fazia. Então Ele disse aos discípulos: «Escutai bem o que vou dizer-vos. O Filho do homem vai ser entregue às mãos dos homens». Eles, porém, não compreendiam aquelas palavras; eram misteriosas para eles e não as entendiam. Mas tinham medo de O interrogar sobre tal assunto.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai benignamente, Senhor, os dons da vossa Igreja,
para que receba nestes santos mistérios
os bens em que pela fé acredita.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 118, 4-5
Promulgastes, Senhor,
os vossos preceitos para se cumprirem fielmente.
Fazei que os meus passos sejam firmes
na observância dos vossos mandamentos.

Ou Jo 10, 14
Eu sou o Bom Pastor, diz o Senhor;
conheço as minhas ovelhas
e as minhas ovelhas conhecem-Me.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Sustentai, Senhor, com o auxílio da vossa graça
aqueles que alimentais nos sagrados mistérios,
para que os frutos de salvação
que recebemos neste sacramento
se manifestem em toda a nossa vida.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. MIGUEL, S. GABRIEL e S. RAFAEL, Arcanjos

 

 

Martirológio

Festa dos santos Miguel, Gabriel e Rafael, arcanjos. No dia da dedicação da basílica de São Miguel, antigamente edificada na Via Salária, a seis milhas da cidade de Roma, celebram-se juntamente os três arcanjos, cujas missões singulares são reveladas na Sagrada Escritura e que, servindo a Deus dia e noite e contemplando o seu rosto, incessantemente O glorificam.

 

2.   Em Perinto, mais tarde chamada Heracleia, na Trácia, na actual Turquia, Santo Eutíquio, bispo e mártir.

3.   Em Valeroctista, hoje Etchmiadzin, na Arménia, as santas Rípsimes, Gaiana e companheiras, mártires.

4.   Em Auxerre, na Gália Lionense, na actual França, São Fraterno, bispo.

5.   Na Palestina, São Ciríaco, anacoreta, que habitou durante quase noventa anos em cavernas numa vida austeríssima e foi exemplo admirável para os anacoretas e defensor da verdadeira fé contra os origenistas.

6*.   Em Mettlach, nas margens do rio Saar, na Renânia, actualmente na Alemanha, o sepultamento de São Ludovino, bispo de Tréveris, que fundou o mosteiro deste lugar e morreu em Reims.

7*.   Na ilha de Ufnau, junto ao lago de Zurique, no território dos Helvécios, actualmente na Suíça, Santo Adelrico, presbítero e eremita.

8*.   Na Bretanha Menor, região da França, São Maurício, abade do mosteiro cisterciense de Langonet e posteriormente do mosteiro de Carnoet, por ele fundado, onde morreu com fama de santidade.

9*.   No mosteiro cisterciense de Longpont, também na França, o Beato João de Montmirail, que deixou a sua profissão de nobre cavaleiro para se tornar humilde monge.

10*.   Em Vannes, no litoral da Bretanha Menor, região da França, o Beato Carlos de Blois, homem piedoso, manso e humilde, que, sendo duque da Bretanha, desejava entrar na Ordem dos Frades Menores, mas, constrangido a reivindicar o principado contra um adversário, suportou com firmeza de ânimo as tribulações de um longo cativeiro e foi morto em combate junto de Auray.

11*.   Em Roma, o Beato Nicolau de Furca Palena, presbítero da Ordem dos Eremitas de São Jerónimo, que fundou no monte Janículo o mosteiro de Santo Onofre, onde, já centenário, descansou no Senhor.

12*.   Em L’viv, na Ucrânia, São João de Dukla, presbítero da Ordem dos Menores, que viveu uma vida oculta e ascética, segundo os costumes dos Observantes, fervorosamente dedicado ao ministério pastoral das almas e à unidade dos cristãos.

13*.   Em Nagasáki, no Japão, a paixão dos santos mártires Miguel de Aoxaraza, Guilherme Courtet, Vicente Shiwozuka, presbíteros da Ordem dos Pregadores, Lázaro de Kioto e Lourenço de Manila Ruiz, pais de família, que, encarcerados durante mais de um ano por serem cristãos, sofreram o suplício da cruz e depois foram degolados. A sua memória, juntamente com a dos seus companheiros, celebra-se no dia precedente.

14.   Em Ossernenon, no território do Canadá, a paixão de São Renato Goupil, mártir, um médico que era colaborador de Santo Isaac Jogues e foi assassinado a golpes de machado por um nativo.

15*.   Em Gilet, localidade próxima de Valência, na Espanha, o Beato Jaime Mestre Iborra, presbítero da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e mártir, que, durante a perseguição religiosa, derramou o seu sangue por Cristo.

16*.   Em Valência, cidade da Espanha, os beatos mártires Paulo Bori Puig, presbítero, e Vicente Sales Genovês, religioso, ambos da Companhia de Jesus, que travaram o glorioso combate por Cristo.

17*.   Em Picadero de Paterna, localidade da província de Valência, o Beato Dario Hernández Morató, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que na mesma perseguição religiosa entregou a sua alma a Deus.

18*.   Em Lérida, também na Espanha, o Beato Francisco de Paula Castelló i Aleu, mártir, que, condenado na mesma perseguição religiosa, enfrentou a morte por Cristo com ânimo sereno e grande fortaleza.

19♦.   Em Madrid, também na Espanha, os beatos José Villanova Tormo, presbítero e Francisco Edreira Mosquera, religioso, ambos da Sociedade Salesiana e mártires, assassinados em ódio à fé cristã na mesma perseguição.

20♦.   Em Milão, na Itália, o Beato Luís Monza, presbítero da diocese de Milão, fundador das Pequenas Apóstolas da Caridade.