Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-10-10

QUARTA-FEIRA da semana XXVII

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Gal 2, 1-2. 7-14; Sal 116 (117), 1. 2
Ev Lc 11, 1-4

* Na Ordem Agostiniana – S. Tomás de Vilanova, bispo – FESTA
* Na Ordem Franciscana – SS. Daniel, presbítero, e Companheiros, mártires, da I Ordem – MF
* Nos Missionários Combonianos do Coração de Jesus, nas Irmãs Missionárias Combonianas, nas Missionárias Seculares Combonianas e nos Leigos Missionários Combonianos – S. Daniel Comboni, bispo, missionário e Fundador – SOLENIDADE
* Na Diocese do Porto (Porto) – I Vésp. de Nossa Senhora de Vandoma.
* Na Congregação das Servas de Maria – I Vésp. de S. Maria Soledad Torres.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Est 13, 9.10-11
Senhor, Deus omnipotente, tudo está sujeito ao vosso poder
e ninguém pode resistir à vossa vontade.
Vós criastes o céu e a terra e todas as maravilhas
que estão sob o firmamento.
Vós sois o Senhor do universo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, que, no vosso amor infinito,
cumulais de bens os que Vos imploram
muito além dos seus méritos e desejos, pela vossa misericórdia,
libertai a nossa consciência de toda a inquietação
e dai-nos o que nem sequer ousamos pedir.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Gal 2, 1-2.7-14
«Reconheceram a graça que me foi concedida»

S. Paulo continua a justificar a sua missão apostólica. Depois da sua primeira viagem missionária, apresentou-se aos outros Apóstolos, em Jerusalém, e submeteu-se diante deles ao exame sobre a doutrina que pregava. Obteve deles a aprovação, garantia de que o Evangelho que anunciava era autêntico. Apesar disso, vê-se obrigado a defender certas posições, que ele considera fundamentais, perante o próprio S. Pedro, o qual ainda se mostrava um pouco mais ligado ás tradições da lei judaica.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Gálatas
Irmãos: Passados catorze anos, subi novamente a Jerusalém com Barnabé e fiz-me acompanhar também de Tito. Eu subi para lá, de acordo com uma revelação, e expus o Evangelho que prego entre os gentios, numa reunião particular com os principais dirigentes, para me assegurar de não correr ou não ter corrido em vão. Viram então que me estava confiada a evangelização dos que não eram judeus, como a Pedro a dos que eram judeus. – De facto, Aquele que exercera em Pedro a sua acção em ordem ao apostolado entre os judeus, tinha-a exercido em mim em ordem aos gentios –. Por isso, Tiago, Pedro e João, que eram considerados como as colunas, ao reconhecerem a graça que me fora concedida, estenderam-nos as mãos, a mim e a Barnabé, em sinal de acordo: Nós seríamos para os gentios e eles para os judeus. Só nos pediram que nos lembrássemos dos seus pobres, o que eu procurei pôr em prática com grande diligência. Mas quando Pedro veio a Antioquia, opus-me a ele abertamente, porque era digno de censura. De facto, antes de terem vindo alguns homens da parte de Tiago, ele comia com os gentios. Mas depois de eles chegarem, retirava-se e mantinha-se à parte, com receio dos partidários da circuncisão. Com ele começaram a dissimular também os outros judeus, de tal modo que até Barnabé se deixou arrastar pela sua dissimulação. Quando eu vi que eles não procediam correctamente segundo a verdade do Evangelho, disse a Pedro diante de todos: «Se tu, que és judeu, vives à maneira dos gentios e não dos judeus, como podes obrigar os gentios a proceder como os judeus?».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 116 (117), 1.2 (R. Mc 16, 15)
Refrão: Ide por todo o mundo e anunciai a boa nova. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Louvai o Senhor, todas as nações,
aclamai-O, todos os povos. Refrão

É firme a sua misericórdia para connosco,
a fidelidade do Senhor permanece para sempre. Refrão


ALELUIA Rom 8, 15bc
Refrão: Aleluia. Repete-se
Recebestes o espírito de adopção filial;
nele clamamos: «Abba, ó Pai». Refrão


EVANGELHO Lc 11, 1-4
«Senhor, ensina-nos a orar»

Ao verem Jesus rezar, os discípulos querem imitar o Mestre, e pedem-Lhe que os ensine também a rezar. A oração é o diálogo com Deus. A oração nasce no fundo do coração do homem. Mas a oração do cristão é iluminada pela revelação que Jesus nos trouxe, e que, acima de tudo, nos revela Deus como Pai. Por isso, a oração cristã nasce sempre da fé. Com razão os Antigos não permitiam que esta oração chegasse aos ouvidos dos pagãos antes de eles terem sido catequizados; seria certamente escandaloso para eles tratar a Deus como Pai! Mas ela contém a grande revelação: Deus é nosso Pai e tem-nos a nós como seus filhos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, estava Jesus em oração em certo lugar. Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista ensinou também os seus discí¬pulos». Disse-lhes Jesus: «Quando orardes, dizei: ‘Pai, santi¬ficado seja o vosso nome; venha o vosso reino; dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; perdoai-nos os nossos pecados, porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixeis cair em tentação’».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o sacrifício
que Vós mesmo nos mandastes oferecer
e, por estes sagrados mistérios que celebramos,
confirmai em nós a obra da redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Lam 3, 25
O Senhor é bom para quem n’Ele confia,
para a alma que O procura.

Ou cf. 1 Cor 10, 17
Porque há um só pão, todos somos um só corpo,
nós que participamos do mesmo cálice e do mesmo pão.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso,
que neste sacramento saciais a nossa fome e a nossa sede,
fazei que, ao comungarmos o Corpo e o Sangue do vosso Filho,
nos transformemos n’Aquele que recebemos.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Comemoração de São Pinito, bispo de Cnossos, na ilha de Creta, que, no tempo dos imperadores Marco Aurélio Vero e Lúcio Cómodo, se distinguiu pelos seus escritos sobre a fé e sua intensa solicitude pelo progresso espiritual do rebanho que lhe foi confiado.

2.       Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, os santos Eulâmpio e sua irmã Eulâmpia, mártires, durante a perseguição do imperador Diocleciano.

3.       Em Colónia, na Germânia, na actual Alemanha, os santos Gereão e companheiros, mártires, que, para defender a verdadeira piedade, corajosamente ofereceram o seu pescoço à espada.

4.       Em Birten, também no território de Colónia, na actual Alemanha, os santos Vítor e Maloso, mártires.

5.   Em Bonn, hoje também na Alemanha, os santos Cássio e Florêncio, mártires.

6*.   Em Nantes, na Gália Lionense, actualmente na França, São Claro, venerado como primeiro bispo desta cidade.

7.   Em Populónia, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, São Cerbónio, bispo, que, segundo o testemunho do papa São Gregório Magno, quando os Lombardos invadiram esta região, se refugiou na ilha de Elba, onde deu muitas provas da sua grande virtude.

8.   Perto de Ramerude, no território de Troyes, na Nêustria, actualmente na França, Santa Tanca, virgem e mártir, que, segundo a tradição, para defender a sua virgindade teve morte gloriosa.

9*.   Em Rochester, na Inglaterra, o passamento de São Paulino, bispo de York, que, sendo monge e discípulo do papa São Gregório Magno, foi por ele enviado com outros a pregar o Evangelho aos Anglos, onde converteu Eduino, rei da Notúmbria, e lavou nas águas da regeneração baptismal o seu povo.

10*.   No mosteiro de Jouarre, no território de Meaux, na Nêustria, na hodierna França, Santa Telquilde, abadessa, que, sendo nobre de nascimento, ilustre pelos seus méritos e austera em seus costumes, ensinou as virgens consagradas a ir ao encontro de Cristo com as lâmpadas acesas.

11.   Em Ceuta, na Mauritânia Tingitana, a paixão dos sete mártires da Ordem dos Menores – Daniel, Samuel, Ângelo, Leão, Nicolau e Hugolino, presbíteros, e Dono – que, enviados pelo irmão Elias a pregar o Evangelho aos Mouros, depois de sofrerem insultos, cadeias e flagelações, finalmente foram degolados e receberam a palma do martírio.

12.     Em Bridlington, na Inglaterra, São João, presbítero, prior do mosteiro dos cónegos regrantes de Santo Agostinho, célebre pela sua oração, austeridade e mansidão.

13.    Em Khartum, cidade do Sudão, São Daniel Combóni, bispo, que fundou o Instituto das Missões para a Negritude, hoje com o nome de Missionários Combonianos do Coração de Jesus, e, eleito bispo na África, dedicou todas as suas energias para anunciar o Evangelho por aquelas regiões e promoveu de muitos modos a dignidade humana.

14*.   Em Cracóvia, na Polónia, a Beata Ângela Maria (Sofia Camila Truszkowska), virgem, que fundou a Congregação Franciscana de São Félix Cantalício, para ajudar as crianças abandonadas, os pobres e os marginados.

15♦.   Em Chamberi, bairro de Madrid, na Espanha, a Beata Maria Catarina Irigoyen Echegaray, religiosa do Instituto das Servas de Maria, Ministra dos Enfermos.

16♦.   Em Garraf, perto de Barcelona, também na Espanha, o Beato Pedro Tomás de Nossa Senhora do Pilar (Pedro de Alcântara Fortón y de Cascajares), religioso da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártir, assassinado em ódio à fé.

17*.   Em Dzialdowo, povoação da Polónia, o Beato Leão Wetmanski, bispo auxiliar de Plock, que, durante a ímpia perseguição na Polónia contra Deus e os homens, com a sua heróica morte num campo de concentração consumou o seu martírio.

18*.   Em Linz, na Áustria, o Beato Eduardo Detkens, mártir, natural da Polónia, que morreu numa câmara de gás durante a mesma perseguição.