Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-01-19

SEXTA-FEIRA da semana II

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 1 Sam 24, 3-21; Sal 56 (57), 2. 3-4. 6 e 11
Ev Mc 3, 13-19

* Na Diocese de Viana do Castelo – S. Fabião, papa e mártir – MF
* Na Companhia de Jesus – Bb. Tiago Sales, presbítero e Guilherme Saultemouche, religioso; Tiago Bonnaud, presbítero, e Companheiros; José Imbert e João Nicolau Cordier, presbíteros, mártires – MF
* 2º dia do Oitavário de Orações pela Unidade dos Cristãos.
* Na Diocese de Lamego – I Vésp. de S. Sebastião.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 65, 4
Toda a terra Vos adore, Senhor,
e entoe hinos ao vosso nome, ó Altíssimo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente,
que governais o céu e a terra,
escutai misericordiosamente as súplicas do vosso povo
e concedei a paz aos nossos dias.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Sam 24, 3-21
«Não levantarei a mão contra ele, porque é o ungido do Senhor»

Embora perseguido de morte por Saul, David não se aproveitou da ocasião que teve de se desembaraçar dele, mas evitou tal ocasião, tendo sobretudo em conta que Saul fora escolhido pelo Senhor para rei e, como tal, havia sido ungido pelo profeta de Deus. O sentido religioso daquela unção estava acima de todos os sentimentos que a vingança lhe poderia ter inspirado. Ela significava uma acção divina, contra a qual não se devia levantar nenhuma acção humana.

Leitura do Primeiro Livro de Samuel
Naqueles dias, Saul tomou consigo três mil homens escolhidos de todo o Israel e foi à procura de David e da sua gente, junto ao Rochedo-dos-Cabritos-Monteses. Chegou a uns currais de ovelhas que se encontram à beira do caminho e entrou numa gruta para satisfazer uma necessidade. David e os seus homens estavam sentados ao fundo da gruta. Os seus homens disseram-lhe: «Hoje é o dia em que o Senhor te diz: ‘Entrego-te nas mãos o teu inimigo: faz dele o que quiseres’». David levantou-se e, sem ser pressentido, cortou um pedaço da orla do manto de Saul. Mas depois, David sentiu o coração a bater forte por ter cortado um pedaço da orla do manto de Saul. Disse então aos seus homens: «O Senhor me livre de fazer ao meu soberano uma coisa dessas, de levantar a mão contra ele, porque é o ungido do Senhor». Com estas palavras, David conteve os seus homens e não os deixou atacar Saul. Saul abandonou a gruta e seguiu o seu caminho. Então David levantou-se, saiu da gruta e gritou a Saul: «Senhor, meu rei!». Saul olhou para trás e David inclinou a face até ao chão e prostrou-se. Depois David falou a Saul: «Porque dás ouvidos àqueles que te dizem: ‘David quer fazer-te mal’? Hoje viste com os teus próprios olhos como o Senhor te entregou em minhas mãos, dentro da gruta, e como eu te poupei, recusando matar-te. Eu disse: Não levantarei a mão contra o meu soberano, porque ele é o ungido do Senhor. Meu pai, vê na minha mão um pedaço do teu manto. Se cortei a orla do teu manto e não te matei, deves reconhecer que em mim não há maldade nem traição. Enquanto atentas contra mim, para me tirares a vida, eu não pratiquei qualquer falta contra ti. O Senhor seja nosso juiz, Ele me faça justiça contra ti; mas eu não porei em ti as minhas mãos. Como diz o antigo ditado: ‘Dos maus vem a maldade’; por isso não porei em ti as minhas mãos. Contra quem se pôs em campo o rei de Israel? Quem é que tu persegues? Um cão morto? Uma pulga? Seja o Senhor o juiz e decida entre nós; Ele examine e defenda a minha causa, me faça justiça e me livre das tuas mãos». Quando David acabou de dizer estas palavras, Saul perguntou: «És realmente tu que estás a falar, meu filho David?». E, em altos brados, começou a chorar. Depois disse a David: «Tu és mais justo do que eu, porque me tens feito bem e eu tenho-te feito mal. Hoje mostraste a tua bondade para comigo, pois o Senhor entregou-me nas tuas mãos e tu não quiseste matar-me. Quando um homem encontra o seu inimigo, porventura o deixa seguir em paz o seu caminho? O Senhor te recompense pelo bem que hoje me fizeste. Agora sei que certamente serás rei e que o poder real em Israel ficará consolidado em tuas mãos».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 56 (57), 2.3-4.6 e 11 (R. 2a)
Refrão: Tende piedade de mim, Senhor, tende piedade de mim. Repete-se

Tende piedade de mim, ó Deus, tende piedade,
porque em Vós eu procuro refúgio
e me abrigo à sombra das vossas asas,
até que passe a tormenta. Refrão

Clamo ao Deus Altíssimo,
a Deus que me enche de benefícios.
Do Céu me enviará a salvação,
Deus me enviará a sua bondade e fidelidade. Refrão

Meu Deus, revelai nas alturas a vossa grandeza
e sobre a terra fazei brilhar a vossa glória,
porque aos céus se eleva a vossa bondade
e até às nuvens a vossa fidelidade. Refrão


ALELUIA 2 Cor 5, 19
Refrão: Aleluia. Repete-se
Em Cristo, Deus reconcilia o mundo consigo
e confiou-nos a palavra da reconciliação. Refrão


EVANGELHO Mc 3, 13-19
«Chamou à sua presença aqueles que entendeu»

Jesus rodeia-Se de Doze Apóstolos, os futuros pastores do povo de Deus, como, no antigo Israel, as tribos desse povo eram também em número de doze. É Jesus quem os escolhe, porque é Ele quem está na origem do povo da nova Aliança. Aos Doze Jesus comunica o seu poder sobre o reino demoníaco do mal, para que o seu triunfo pascal esteja sempre presente entre os homens, na Igreja, por meio deles, que hoje se continuam no Colégio ou Ordem dos Bispos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, Jesus subiu a um monte. Chamou à sua presença aqueles que entendeu e eles aproximaram-se. Escolheu doze, para andarem com Ele e para os enviar a pregar, com poder de expulsar demónios. Escolheu estes doze: Simão, a quem pôs o nome de Pedro; Tiago, filho de Zebedeu, e João, irmão de Tiago, aos quais pôs o nome de Boanerges, isto é, «Filhos do trovão»; André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago de Alfeu, Tadeu, Simão o Cananeu e Judas Iscariotes, que depois O traiu.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Senhor,
a graça de participar dignamente nestes mistérios,
pois todas as vezes que celebramos o memorial deste sacrifício
realiza-se a obra da nossa redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 22, 5
Para mim preparais a mesa
e o meu cálice transborda.

Ou 1 Jo 4, 16
Nós conhecemos e acreditámos
no amor de Deus para connosco.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Infundi em nós, Senhor, o vosso espírito de caridade,
para que vivam unidos num só coração e numa só alma
aqueles que saciastes com o mesmo pão do Céu.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Esmirna, hoje Izmir, na Turquia, a paixão de São Germânico, mártir de Filadélfia, que, no tempo dos imperadores Marco Antonino e Lúcio Aurélio, foi discípulo de São Policarpo, a quem precedeu no martírio: condenado pelo juiz ainda na flor da idade juvenil, superou pela graça de Deus o medo da sua fragilidade corporal e provocou espontaneamente a fera para ele preparada.

2.   Em Spoleto, na Úmbria, região da Itália, São Ponciano, mártir, que, no tempo do imperador Antonino, crudelissimamente flagelado por amor de Cristo, foi finalmente morto ao fio da espada.

3.   Na Via Cornélia, a treze milhas de Roma, no cemitério “ad Nymphas”, os santos Mário, Marta, Audifaz e Ábaco, mártires.

4.   Comemoração de São Macário Magno, presbítero e abade do mosteiro de Cete, no Egipto, que, morto para o mundo e para si, vivia só para Deus, o que ensinava também aos seus monges.

5.   Comemoração de São Macário o Alexandrino, presbítero e abade no monte Cete, no Egipto.

6.   Em Lódi, na Ligúria, actualmente na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Bassiano, bispo, que, para defender o seu povo da heresia dos arianos ainda vigente neste território, lutou com grande ardor juntamente com Santo Ambrósio de Milão.

7.   Em Como, na Lombardia, região da Itália, as santas Liberata e Faustina, irmãs e virgens, que fundaram o mosteiro de Santa Margarida.

8*.   Em Dreux, junto de Chartres, na Nêustria, hoje na França, São Lomar, abade do mosteiro de Corbion, hoje Moutiers-au-Perche.

9.   Em Ravena, na actual Emília-Romanha, região da Itália, São João, bispo, que, enquanto toda a Itália era devastada pela guerra com os Lombardos, providenciou egregiamente às necessidades da Igreja, segundo o testemunho de São Gregório Magno, que lhe enviou o livro da Regra Pastoral.

10*.   Em Ruão, na Nêustria, actualmente na França, São Remígio, bispo, irmão do rei Pepino, que com grande diligência procurou que se cantasse a salmodia segundo o costume de Roma.

11*.   Em Corfu, na Grécia, Santo Arsénio, bispo, pastor de almas muito dedicado ao seu rebanho e assíduo à oração nocturna.

12*.   Em Sevilha, na Espanha, o Beato Marcelo Spínola y Maestre, bispo, que fundou centros de operários para promover o desenvolvimento da sociedade humana, lutou pela verdade e pela justiça e abriu a sua casa aos indigentes.