Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-07-24

SEGUNDA-FEIRA da semana XVI

S. Sarbélio Makhluf, presbítero – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Ex 14, 5-18; Sal Ex 15, 1-2. 3-4. 5-6
Ev Mt 12, 38-42

* Na Ordem Carmelita – B. João Soreth, presbítero – MO
* Na Ordem dos Carmelitas Descalços – B. Maria das Mercês Prat y Prat, virgem, e B. Maria Pilar, Teresa e Maria Ângeles, virgens e mártires – MF
* Na Ordem Franciscana (II Ordem) – B. Luísa de Sabóia, religiosa, da II Ordem – MF
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – Bb. Nicéforo e Companheiros, mártires – MF

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 53, 6.8
Deus vem em meu auxílio, o Senhor sustenta a minha vida.
De todo o coração Vos oferecerei sacrifícios,
cantando a glória do vosso nome.


ORAÇÃO COLECTA
Sede propício, Senhor, aos vossos servos
e multiplicai neles os dons da vossa graça,
para que, fervorosos na fé, esperança e caridade,
perseverem na fiel observância dos vossos mandamentos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Ex 14, 5-18
«Os egípcios reconhecerão que Eu sou o Senhor,
quando Eu manifestar a minha glória, vencendo o faraó»

Continuamos a ouvir ler os acontecimentos do Êxodo, ou seja, da saída do povo de Deus do Egipto. Encontramos hoje o povo a caminho do Mar Vermelho, prestes a atravessá-lo e a alcançar o deserto, a caminho da Terra Prometida, a sua pátria. Entretanto, o Faraó, o rei do Egipto, persegue-os na última hora, para os impedir que saiam do país da escravidão. Mas Deus, por meio de Moisés, anuncia-lhes a grande libertação. A fidelidade de Deus ao seu povo é maior e mais poderosa do que as tentativas dos homens por se Lhe oporem.

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias, quando anunciaram ao rei do Egipto que o povo israelita fugira, mudou-se o coração do faraó e dos seus servos contra o povo e disseram: «Que fizemos nós, deixando partir Israel, que não mais nos servirá?». O faraó mandou atrelar o carro e tomou a sua gente consigo. Prepararam seiscentos carros escolhidos e todos os carros do Egipto, cada qual com os seus combatentes. O Senhor permitiu que se endurecesse o coração do faraó, rei do Egipto, o qual perseguiu os filhos de Israel, que partiram de mão erguida. Os egípcios perseguiram-nos, – com os cavalos e carros do faraó, com os seus cavaleiros e o seu exército – e alcançaram-nos, quando eles estavam acampados junto ao mar, junto de Piairot, em frente de Baalsefon. Quando o faraó se aproximava, os filhos de Israel levantaram os olhos e viram que os egípcios vinham atrás deles. Cheios de pavor, os filhos de Israel clamaram ao Senhor e disseram a Moisés: «Foi por falta de túmulos no Egipto que nos trouxeste para morrermos no deserto? Que nos fizeste, tirando-nos do Egipto? Não era isto que te dizíamos no Egipto: ‘Deixa-nos servir em paz os egípcios; mais vale servir os egípcios que morrer no deserto’?». Então Moisés disse ao povo: «Não temais. Permanecei firmes e vereis a salvação que o Senhor nos dará neste dia, pois aqueles egípcios que hoje vedes, nunca mais os vereis. O Senhor combaterá por vós e vós nada tereis que fazer». O Senhor disse a Moisés: «Porque estás a bradar por Mim? Diz aos filhos de Israel que se ponham em marcha. E tu ergue a tua vara, estende a mão sobre o mar e divide-o, para que os filhos de Israel entrem nele a pé enxuto. Entretanto vou permitir que se endureça o coração dos egípcios, que hão-de perseguir os filhos de Israel. Manifestarei então a minha glória, triunfando do faraó, de todo o seu exército, dos seus carros e dos seus cavaleiros. Os egípcios reconhecerão que Eu sou o Senhor, quando Eu manifestar a minha glória, vencendo o faraó, os seus carros e os seus cavaleiros».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Ex 15, 1-2.3-4.5-6 (R. 1b)
Refrão: Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória. Repete-se

Cantarei ao Senhor, que fez brilhar a sua glória:
precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro.
O Senhor é a minha força e a minha protecção:
a Ele devo a minha liberdade. Refrão

Ele é o meu Deus: eu O exalto;
Ele é o Deus de meu pai: eu O glorifico.
O Senhor é um guerreiro, Omnipotente é o seu nome;
precipitou no mar os carros do Faraó e o seu exército. Refrão

Os seus melhores combatentes afogaram-se
no Mar Vermelho,
foram engolidos pelas ondas,
caíram como pedra no abismo.
A vossa mão direita, Senhor, revelou a sua força,
a vossa mão direita, Senhor, destroçou o inimigo. Refrão


ALELUIA cf. Salmo 94 (95), 8ab
Refrão: Aleluia Repete-se
Se hoje ouvirdes a voz do Senhor,
não fecheis os vossos corações. Refrão


EVANGELHO Mt 12, 38-42
Os ouvintes imediatos de Jesus escutavam-n’O com curiosidade, não com desejo profundo, que nasce num coração sincero; mas é aí que começa a escuta verdadeira da palavra de Deus, que revela os caminhos da sabedoria. Foi assim com os de longe, “os homens de Nínive”, e com a rainha de Sabá, que veio dos confins da terra, enquanto os de perto se ficaram na curiosidade superficial de esperarem um sinal do céu. Mas, os sinais mais claros de que Jesus é o enviado de Deus são sempre os da sua morte e ressurreição, mistério de que Jonas foi sinal, ao permanecer três dias no seio do monstro marinho, conforme o próprio Jesus explica. Os sinais de Deus não são espectáculos, que dão nas vistas; falam à fé e na fé hão-de ser entendidos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, alguns escribas e fariseus disseram a Jesus: «Mestre, queremos ver um sinal da tua parte». Mas Jesus respondeu-lhes: «Esta geração perversa e infiel pretende um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. Assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim o Filho do homem estará três dias e três noites no seio da terra. No dia do Juízo, os homens de Nínive levantar-se-ão com esta geração e hão-de condená-la, porque fizeram penitência quando Jonas pregou; e aqui está quem é maior do que Jonas. No dia do Juízo, a rainha do Sul erguer-se-á com esta geração e há-de condená-la, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão; e aqui está quem é maior do que Salomão».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, que levastes à plenitude os sacrifícios da Antiga Lei
no único sacrifício de Cristo,
aceitai e santificai esta oblação dos vossos fiéis,
como outrora abençoastes a oblação de Abel;
e fazei que os dons oferecidos em vossa honra por cada um de nós
sirvam para a salvação de todos.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Salmo 110, 4-5
O Senhor misericordioso e compassivo
instituiu o memorial das suas maravilhas,
deu sustento àqueles que O temem.
Ou Ap 3, 20
Eu estou à porta e chamo, diz o Senhor.
Se alguém ouvir a minha voz e Me abrir a porta,
entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Protegei, Senhor, o vosso povo
que saciastes nestes divinos mistérios
e fazei-nos passar da antiga condição do pecado
à vida nova da graça.
Por Nosso Senhor.

 

Martirológio

São Sarbélio Makhluf (José Makhluf), presbítero da Ordem dos Maronitas Libaneses, que, animado pelo desejo de austera solidão e de mais alta perfeição, passou do cenóbio de Anaia, no Líbano, ao ermo, onde serviu a Deus dia e noite numa rigorosa sobriedade de vida com jejuns e orações. Descansou no Senhor no dia 24 de Dezembro.

 

2.   Em Bolsena, na Toscana, actualmente no Lácio, região da Itália, Santa Cristina, virgem e mártir.

3.   Em Amiterno, na Sabina, junto à Via Salária, também na Itália, São Vitorino, mártir.

4*.   Em Tauriana, na Calábria, também na Itália, São Fantino o Velho, chamado o Taumaturgo.

5.   Na Tebaida, no Egipto, Santa Eufrásia, virgem, que, procedendo de uma nobre família senatorial, preferiu a vida eremítica no deserto, sempre humilde, pobre e obediente.

6*.   Em Ardmore, na província de Munster, na Irlanda, São Declano, que é venerado como primeiro bispo desta Igreja.

7*.   No território de Albi, na Aquitânia, hoje na França, Santa Sigolena, religiosa.

8.   Na Rússia, os santos Bóris e Gleb, mártires, que, sendo príncipes rutenos e filhos de São Vladimiro, preferiram aceitar a morte a resistir pela violência contra o irmão Sviatopolk: Boris alcançou o martírio junto ao rio Alta, próximo de Pereslavl; Gleb pouco tempo depois no rio Dnieper, perto de Smolensk.

9*.   Em Riéti, na Sabina, actualmente no Lácio, região da Itália, São Balduíno, abade, que foi discípulo de São Bernardo no mosteiro de Claraval e por ele enviado a esta cidade para aí fundar e dirigir o cenóbio de São Mateus.

10*.   Em Sint-Truiden, no Brabante, actualmente na Bélgica, a Beata Cristina, virgem, denominada a Admirável, porque nela, quer pelos sofrimentos corporais quer pelos êxtases místicos, o Senhor fez maravilhas.

11.   Em Stary Sacz, perto de Tarnow, na Polónia, Santa Kinga ou Cunegundes, filha do rei da Hungria e dada em esposa ao príncipe Boleslau, que com ele conviveu em perfeita virgindade e, após a morte do esposo, professou a Regra de Santa Clara no mosteiro por ela fundado.

12*.   Em Ferrara, na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato João Tavélli de Tossiniano, bispo, da Ordem dos Jesuatos.

13.   Em Colónia, na Lotaríngia, actualmente na Alemanha, a trasladação dos três reis magos, sábios do Oriente, que vieram a Belém, trazendo presentes, para contemplar no Menino o mistério sublime do Unigénito de Deus.

14*.   Em L’Áquila, no território dos Vestinos, actualmente nos Abruzos, região da Itália, o Beato António Torriáni, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, médico dos corpos e das almas.

15*.   Em Orbe, na Sabóia, actualmente na França, a Beata Luísa, religiosa, filha do Beato Amadeu, que contraiu matrimónio com o príncipe Hugo de Chalon e, quando ficou viúva, professou a regra de Santa Clara segundo a reforma de Santa Colecta, com grande humildade e fidelidade.

16*.   Em Derby, na Inglaterra, os beatos Nicolau Garlick, Roberto Ludlam e Ricardo Simpson, presbíteros e mártires, que, depois de muitos tormentos e vexames, foram condenados à morte por causa do seu sacerdócio, no reinado de Isabel I e, mortos no patíbulo, alcançaram a alegria celeste.

17*.   Em Newcastle upon Tyne, também na Inglaterra, o Beato José Lambton, presbítero e mártir, que, com vinte e quatro anos de idade, no reinado da mesma Isabel I, por causa do seu sacerdócio suportou cruéis torturas e foi dilacerado vivo.

18.   Em Durham, também na Inglaterra, São João Boste, presbítero e mártir, que, no mesmo reinado de Isabel I, sofreu o martírio por causa do sacerdócio e perante o juiz não cessou de confortar os companheiros.

19♦.   Em Córdova, na Espanha, o Beato Cristóvão de Santa Catarina (Cristóvão Fernández Valladolid), presbítero da Ordem Terceira Regular de São Francisco, que foi capelão militar, depois fez-se eremita e por fim se dedicou ao apostolado e assistência entre os indigentes e os enfermos, para os quais fundou a Congregação Hospitaleira de Jesus Nazareno.

20.   Em Nam Dinh, cidade do Tonquim, actualmente no Vietnam, São José Fernández, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que, no tempo do imperador Minh Mang, foi decapitado por causa da sua fé em Cristo.

21*.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, o Beato Modestino de Jesus e Maria (Domingos Mazarello), presbítero da Ordem dos Frades Menores, que, sempre disponível para todo o género de pessoas pobres e aflitas, morreu num tempo de peste, assistindo os moribundos e contagiado também ele pela epidemia.

22*.   Em Guadalajara, na Espanha, as beatas Maria do Pilar de São Francisco de Borja (Jacoba Martínez Garcia), Teresa do Menino Jesus (Eusébia Garcia y Garcia) e Maria Ângela de São José (Marciana Voltierra Tordesillas), virgens da Ordem das Carmelitas Descalças e mártires, que, em tempo da perseguição religiosa, receberam a coroa do martírio aclamando com alegria o Esposo, Jesus Cristo.

23*.   Em Barcelona, também na Espanha, a Beata Maria Mercedes Prat, virgem da Companhia de Santa Teresa de Jesus e mártir, que na mesma perseguição consumou o martírio por ser religiosa.

24*.   Também em Barcelona, o Beato Xavier Bordas Piferrer, religioso da Sociedade Salesiana, que, com o exemplo e o martírio, deu testemunho de Cristo, o divino mestre.

25♦.   Em Ronda, perto de Málaga, na Espanha, os beatos António Henrique Canut Isus e António Torrero Luque, presbíteros da Sociedade Salesiana e mártires, que, durante a perseguição contra a fé, foram assasssinados e receberam a recompensa do Senhor.

26♦.   Em Barcelona, também na Espanha, o Beato Indalécio Maria (Marcos Morón Casas), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que, durante a mesma perseguição contra a fé, combateu por Cristo um glorioso combate.

27♦.   Também em Barcelona, os beatos Jaime de Santa Teresa (Jaime Gascón Bordás) e Romualdo de Santa Catarina (José Guillami Rodó) presbíteros da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártires, que, durante a mesma perseguição, como discípulos fiéis mereceram a salvação no sangue de Cristo.

28♦.   Em Hospitalet de Llobregat, cidade da província de Barcelona, também na Espanha, o Beato Miguel Peiró Victóri, da Ordem Terceira de São Domingos e mártir, que, na mesma perseguição contra a Igreja, confirmou com o seu sangue a sua fidelidade ao Senhor.

29♦.   Em Madrid, na Espanha, José Joaquim Esnaola Urteaga, o Beato presbítero da Ordem de Santo Agostinho e mártir, que, aceitando fielmente as palavras de Jesus, na mesma perseguição contra a fé, pela sua morte passou à vida gloriosa.

30♦.   Também em Madrid, os beatos João António Pérez Mayo, presbítero da Congregação dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada e companheiros[1], mártires, que, durante a mesma perseguição contra a fé cristã, derramaram o seu sangue por Cristo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Cecílio Vega Domínguez, Francisco Polvorinos Gómez, João Pedro Cotillo Fernández, Justo González Lorente, Manuel Gutiérrez Martín e Pascoal Aláez Medina, religiosos da Congregação dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada, e Cândido Castán San José, pai de família.