Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-12-17

DOMINGO III DO ADVENTO

Roxo ou rosa – Ofício próprio (Semana III do Saltério). Te Deum.
+ Missa própria, Credo, pf. I do Advento.

L 1 Is 61, 1-2a. 10-11; Sal Lc 1, 46b-48. 49-50. 53-54
L 2 1 Tes 5, 16-24
Ev Jo 1, 6-8. 19-28

* Proibidas todas as Missas de defuntos, mesmo a exequial.
* Pode usar-se, neste domingo, a cor de rosa (IGMR 346 f: EDREL 1256 f).
* Na Diocese de Lamego – Ofertório para a Obra da Catequese.
* II Vésp. do domingo – Compl. dep. II Vésp. dom.

 

Ano B

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Filip 4, 4.5
Alegrai-vos sempre no Senhor.
Exultai de alegria: o Senhor está perto.
Não se diz o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de infinita bondade, que vedes o vosso povo
esperar fielmente o Natal do Senhor,
fazei-nos chegar às solenidades da nossa salvação
e celebrá-las com renovada alegria.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 61, 1-2a.10-11
«Exulto de alegria no Senhor»

A salvação, que o profeta tem o dever de anunciar, renova a Aliança com Deus e faz-nos participar da Sua mesma vida. Por isso, é em nós fonte de alegria.
O cristão deve comunicar esta alegria aos seus irmãos. A unção baptismal, infundindo em nós a Fé, a Esperança e a Caridade, tornou-nos capazes de anunciar a boa notícia da salvação.

Leitura do Livro de Isaías
O espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu e me enviou a anunciar a boa nova aos pobres, a curar os corações atribulados, a proclamar a redenção aos cativos e a liberdade aos prisioneiros, a promulgar o ano da graça do Senhor. Exulto de alegria no Senhor, a minha alma rejubila no meu Deus, que me revestiu com as vestes da salvação e me envolveu num manto de justiça, como noivo que cinge a fronte com o diadema e a noiva que se adorna com as suas jóias. Como a terra faz brotar os germes e o jardim germinar as sementes, assim o Senhor Deus fará brotar a justiça e o louvor diante de todas as nações.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Lc 1, 46-48.49-50.53-54 (R. Is 61, 10b)
Refrão: Exulto de alegria no Senhor. Repete-se
Ou: A minha alma exulta no Senhor. Repete-se

A minha alma glorifica o Senhor
e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador,
porque pôs os olhos na humildade da sua serva:
de hoje em diante me chamarão bem-aventurada
todas as gerações. Refrão

O Todo-poderoso fez em mim maravilhas:
Santo é o seu nome.
A sua misericórdia se estende de geração em geração
sobre aqueles que O temem. Refrão

Aos famintos encheu de bens
e aos ricos despediu-os de mãos vazias.
Acolheu a Israel, seu servo,
lembrado da sua misericórdia. Refrão


LEITURA II 1 Tes 5, 16-24
«Todo o vosso ser – espírito, alma e corpo –
se conserve para a vinda do Senhor»

A fidelidade de Deus às Suas promessas exige uma resposta. Por isso, o cristão deve viver na alegria, na oração, na acção de graças, numa palavra, na santidade, ao longo da sua vida, na perspectiva da Vinda Gloriosa de Cristo.
Na sua marcha, encontrará, por certo, como todos os homens, a provação e o sofrimento. Mas o nosso Deus é um Deus de paz, isto é, de felicidade material (sentido de paz no A. T.) e espiritual (plenitude de vida divina em Jesus Cristo). Há-de, portanto, ajudá-lo a conseguir esta felicidade, pela santidade.

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Irmãos: Vivei sempre alegres, orai sem cessar, dai graças em todas as circunstâncias, pois é esta a vontade de Deus a vosso respeito em Cristo Jesus. Não apagueis o Espírito, não desprezeis os dons proféticos; mas avaliai tudo, conservando o que for bom. Afastai-vos de toda a espécie de mal. O Deus da paz vos santifique totalmente, para que todo o vosso ser – espírito, alma e corpo – se conserve irrepreensível para a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo. É fiel Aquele que vos chama e cumprirá as suas promessas.
Palavra do Senhor.


ALELUIA Is 61, 1 (cf. Lc 4, 18)
Refrão: Aleluia. Repete-se
O Espírito do Senhor está sobre mim:
enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres. Refrão


EVANGELHO Jo 1, 6-8.19-28
«No meio de vós está Alguém que não conheceis»

A palavra de João Baptista conserva toda a sua actualidade: no meio de nós está Jesus Cristo, mas nós não O reconhecemos. Vemos talvez n’Ele o herói dum messianismo temporal, o pregador duma fraternidade e duma felicidade puramente humanas, o taumaturgo ex¬tra¬ordinário. Mas o segredo da Sua personalidade de Homem-Deus e da Sua fidelidade ao Pai, até à morte, escapa-nos.
Descobrir Cristo com o olhar lúcido da fé e mostrá-l’O aos outros – eis a boa notícia, que nos dá a alegria verdadeira –.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João. Veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. Foi este o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram, de Jerusalém, sacerdotes e levitas, para lhe perguntarem: «Quem és tu?». Ele confessou a verdade e não negou; ele confessou: «Eu não sou o Messias». Eles perguntaram-lhe: «Então, quem és tu? És Elias?». «Não sou», respondeu ele. «És o Profeta?». Ele respondeu: «Não». Disseram-lhe então: «Quem és tu? Para podermos dar uma resposta àqueles que nos enviaram, que dizes de ti mesmo?». Ele declarou: «Eu sou a voz do que clama no deserto: ‘Endireitai o caminho do Senhor’, como disse o profeta Isaías». Entre os enviados havia fariseus que lhe perguntaram: «Então, porque baptizas, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?». João respondeu-lhes: «Eu baptizo na água, mas no meio de vós está Alguém que não conheceis: Aquele que vem depois de mim, a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias». Tudo isto se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava a baptizar.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor, que a oblação deste sacrifício
se renove sempre na vossa Igreja,
de modo que a celebração do mistério por Vós instituído
realize em nós plenamente a obra da salvação.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio do Advento I


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Is 35, 4
Dizei aos desanimados: Tende coragem e não temais.
Eis o nosso Deus que vem salvar-nos.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei, Senhor, pela vossa bondade,
que este divino sacramento nos livre do pecado
e nos prepare para as festas que se aproximam.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Jerusalém, São Modesto, bispo, que, depois de ter sido conquistada e devastada a Cidade Santa pelos Persas, reconstruiu os mosteiros e os encheu de monges e com muito trabalho restaurou os santuários destruídos pelo incêndio.

2.   Em Eleuterópolis, na Palestina, a paixão dos santos cinquenta soldados[1], que, no tempo do imperador Heráclio, por causa da sua fé em Cristo foram mortos pelos Sarracenos que sitiavam Gaza.

 


[1]  Entre os quais: os santos João, Paulo, outros cinco com o nome de João, outro Paulo, Fotino, Zitas, Eugénio, Musélio, Estêvão, Teodoro, outro Teodoro, filho do precedente, Jorge, Teopento, outros quatro com o nome de Jorge, Sérgio, outro Teodoro, Ciríaco, Zitas, Filóxeno, todos da coorte dos Citas; Teodósio, Epifânio, João, Teodoro, Sérgio, Jorge, Tomás, Estêvão, Cónon, outro Teodoro, Paulo, outros três com o nome de João, outro Jorge, Paulino, Caiumas, Abrámio, Marmises e Marino, todos da coorte dos Voluntários.

 

3*.   Na Bretanha Menor, na hodierna França, São Judicael, que restabeleceu a concórdia entre os Bretões e os Francos e, abdicando da sua realeza, consta que passou o resto da sua vida no mosteiro de Méen.

4.   Em Andenne, no Brabante, actualmente na Bélgica, Santa Bega, viúva, que, depois do assassinato do esposo, fundou o mosteiro da Bem-aventurada Virgem Maria sob a regra de São Columbano e São Bento.

5.   No mosteiro de Fulda, na Austrásia, na hodierna Alemanha, Santo Estúrmio, abade, discípulo de São Bonifácio, que evangelizou a Saxónia e, por ordem do mestre, edificou este célebre mosteiro, do qual foi o primeiro abade.

6*.   No monte Mercúrio, na Lucânia, hoje na Basilicata, região da Itália, São Cristóvão de Collesano, monge, que se dedicou com toda a sua família à propagação da vida monástica.

7.   Perto de Bruxellas, no Brabante, na actual Bélgica, Santa Vivina, primeira abadessa do mosteiro de Santa Maria de Grand-Bigard.

8.   Em Roma, no monte Célio, São João da Mata, presbítero, de origem francesa, que fundou a Ordem da Santíssima Trindade para a Redenção dos Cativos.

9.   Em Barcelona, na Espanha, São José Manyanet y Vives, presbítero, que fundou as Congregações dos Filhos e das Filhas da Sagrada Família, para ajudar todas as famílias a serem perfeitas, a exemplo da Sagrada Família de Nazaré, Jesus Maria e José.

10*.   Em Don Benito, localidade próxima de Badajoz, na Espanha, a Beata Matilde do Sagrado Coração de Jesus (Matilde Téllez Robles), virgem, que, vendo no próximo a imagem de Cristo, se entregou com grande solicitude à assistência material e espiritual dos indigentes e fundou a Congregação das Filhas de Maria, Mãe da Igreja.

11.   Em Roma, junto de Santa Sabina, no Aventino, o Beato Jacinto Cormier (Henrique Cormier), presbítero, que, sendo mestre geral, governou prudentemente a Ordem dos Pregadores, fomentando os estudos de teologia e de espiritualidade.