Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-01-05

QUINTA-FEIRA do Tempo do Natal

Branco – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. do Natal.

L 1 1 Jo 3, 11-21; Sal 99 (100), 2. 3. 4. 5
Ev Jo 1, 43-51

* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Diogo José de Cádiz, presbítero, da I Ordem – MF
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – S. Carlos Houben, presbítero – MO
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – S. João Nepomuceno Neumann, bispo – FESTA

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Jo l, l
No princípio, antes da criação do universo,
o Verbo era Deus.
Ele dignou-Se nascer para salvar o mundo.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que iniciastes de modo admirável a nossa redenção com o nascimento do vosso Filho, concedei aos vossos servos uma fé sólida, para que, conduzidos por Ele, alcancemos a glória prometida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Jo 3, 11-21
«Passámos da morte para a vida, porque amamos os irmãos»

É na caridade fraterna que podemos encontrar o testemunho certo de que somos discípulos de Jesus e de que, com Ele, “passámos da morte para a vida”, nesta passagem que constitui a nossa Páscoa, como foi a do Senhor. Ele “amou até ao fim”; assim começa no Evangelho de S. João a narração da Páscoa de Jesus.

Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: «Amemo-nos uns aos outros». Não sejamos como Caim, que era do Maligno e matou o seu irmão. E porque o matou? Porque as suas obras eram más, ao passo que as do seu irmão eram justas. Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. Nós sabemos que passámos da morte para a vida, porque amamos os nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte. Todo aquele que odeia o seu irmão é homicida e vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo em si. Nisto conhecemos o amor: Ele deu a sua vida por nós e nós devemos também dar a vida pelos nossos irmãos. Se alguém possui bens deste mundo e, ao ver o seu irmão passar necessidade, lhe fecha o coração, como pode estar nele o amor de Deus? Meus filhos, não amemos com palavras e com a língua, mas com obras e em verdade. Deste modo sabe¬remos que somos da verdade e tranquilizaremos o nosso coração diante de Deus; porque se o nosso coração nos acusar, Deus é maior que o nosso coração e conhece todas as coisas. Caríssimos, se o coração não nos condena, temos confiança diante de Deus.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 99 (100), 2.3.4.5 (R. 2a)
Refrão: Aclamai o Senhor, terra inteira. Repete-se

Aclamai o Senhor, terra inteira,
servi o Senhor com alegria,
vinde a Ele com cânticos de júbilo. Refrão

Sabei que o Senhor é Deus,
Ele nos fez, a Ele pertencemos,
somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho. Refrão

Entrai pelas suas portas, dando graças,
penetrai em seus átrios com hinos de louvor,
glorificai-O, bendizei o seu nome. Refrão

Porque o Senhor é bom,
eterna é a sua misericórdia,
a sua fidelidade estende-se de geração em geração. Refrão


ALELUIA
Refrão: Aleluia Repete-se
Santo é o dia que nos trouxe a luz.
Vinde adorar o Senhor.
Hoje, uma grande luz desceu sobre a terra. Refrão


EVANGELHO Jo 1, 43-51
«Tu és o Filho de Deus, Tu és o Rei de Israel»

Os discípulos de Jesus vão aumentando, pela Boa-Nova que corre de um para o outro, e pelo contacto com o Mestre que cada um deles vai experimentando. A última frase deste Evangelho, em que é clara a alusão à visão da escada de Jacob, deixa entrever em Jesus o Medianeiro entre Deus e os homens, bem como a sua intimidade com o Pai.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, Jesus resolveu partir para a Galileia. Encontrou Filipe e disse-lhe: «Segue-Me». Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro. Filipe encontrou Natanael e disse-lhe: «Encontrámos Aquele de quem está escrito na Lei de Moisés e nos Profetas. É Jesus de Nazaré, filho de José». Disse-lhe Natanael: «De Nazaré pode vir alguma coisa boa?» Filipe respondeu-lhe: «Vem ver». Jesus viu Natanael, que vinha ao seu encontro, e disse: «Eis um verdadeiro israelita, em quem não há fingimento». Perguntou-lhe Natanael: «De onde me conheces?» Jesus respondeu-lhe: «Antes que Filipe te chamasse, Eu vi-te quando estavas debaixo da figueira». Disse-lhe Natanael: «Mestre, Tu és o Filho de Deus, Tu és o Rei de Israel!». Jesus respondeu: «Porque te disse: ‘Eu vi-te debaixo da figueira’, acreditas. Verás coisas maiores do que estas». E acrescentou: «Em verdade, em verdade vos digo: Vereis o Céu aberto e os Anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, a oblação que trazemos ao vosso altar nesta admirável permuta de dons, de modo que, oferecendo-Vos o que nos destes, mereçamos receber-Vos a Vós mesmo. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Prefácio do Natal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Jo 3, 16
Deus amou tanto o mundo que lhe deu o seu Filho Unigénito.
Quem acredita n’Ele tem a vida eterna.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei-nos, Deus todo-poderoso, que a nossa vida seja cons¬tantemente fortalecida pela comunhão nos vossos santos mistérios. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Alexandria, no Egipto, Santa Sinclética, que, segundo a tradição, seguiu a vida eremítica.

2.   Em Cartago, na actual Tunísia, São Deográcias, bispo, que resgatou muitos cativos trazidos da cidade de Roma pelos Vândalos, abrigando-os em duas amplas basílicas preparadas com pequenos leitos e esteiras.

3.   Em Roma, a comemoração de Santa Emiliana, virgem, tia paterna de São Gregório Magno, que, pouco depois da sua irmã Tarsila, partiu deste mundo ao encontro do Senhor.

4*.   Na Bretanha Menor, região da actual França, São Convoião, abade, que fundou em Redon o mosteiro de São Salvador, onde, sob a sua direcção e seguindo a Regra de São Bento, floresceu uma pléiade de monges insignes pela sua grande piedade; destruído o seu cenóbio pelos Normandos, construiu um novo mosteiro em Saint-Maxent-de-Plélan, onde faleceu octogenário.

5.   Em Londres, na Inglaterra, Santo Eduardo o Confessor, que, sendo rei dos Ingleses, muito estimado pelo povo por causa da sua exímia caridade, conseguiu estabelecer a paz no seu reino e promoveu tenazmente a comunhão com a Sé Apostólica.

6*.   Próximo de Walkenberg, na região de Limburgo, na actual Holanda, São Gerlac, eremita, insigne pelo seu auxílio aos pobres.

7*.   Em Tódi, na Úmbria, região da Itália, o Beato Rogério, presbítero da Ordem dos Frades Menores, que foi discípulo de São Francisco e seu fervoroso imitador.

8*.   Em Angers, na França, os beatos Francisco Peltier, Tiago Ledoyen e Pedro Tessier, presbíteros e mártires, que durante a Revolução Francesa, foram degolados por permanecerem fiéis ao seu sacerdócio.

9.   Em Filadélfia, na Pensilvânia, nos Estados Unidos da América do Norte, São João Nepomuceno Neumann, bispo, da Congregação do Santíssimo Redentor, que prestou grande auxílio aos imigrantes pobres com meios materiais, providentes conselhos e admirável caridade e se dedicou com muita solicitude à formação cristã das crianças.

10*.   Em Génova, na Itália, a Beata Maria Repetto, virgem, das Irmãs de Nossa Senhora do Refúgio no Monte Calvário, que, oculta aos olhos do mundo, foi notável na sua actividade para confortar os aflitos e fortalecer os vacilantes na esperança da salvação.

11*.   Em Dublin, na Irlanda, São Carlos de Santo André (João André) Houben, presbítero da Congregação da Paixão, zeloso ministro do sacramento da Penitência.

12*.   Em Jazlowice, cidade da Ucrânia, a Beata Marcelina Darowska, que, depois do falecimento do esposo e do filho primogénito, se consagrou ao Senhor e, sempre solícita pela dignidade da família, fundou a Congregação das Irmãs da Imaculada Virgem Santa Maria, destinada à formação das jovens.

13*.   Em Spoleto, na Itália, o Beato Pedro Bonílli, presbítero, fundador do Instituto das Irmãs da Sagrada Família, destinado à educação e auxílio das jovens indigentes e dos órfãos.

14*.   Em Saragoça, na Espanha, Santa Genoveva Torres Morales, virgem, que, tendo sofrido já desde a infância a aspereza da vida e a adversidade da doença, fundou o Instituto das Irmãs do Sacratíssimo Coração de Jesus e dos Anjos, destinada ao auxílio das mulheres.