Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-01-10

TERÇA-FEIRA da semana I

B. Gonçalo de Amarante, presbítero – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória
(Semana I do Saltério).
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Hebr 2, 5-12; Sal 8, 2a e 5. 6-7. 8-9
Ev Mc 1, 21-28

* Na Diocese do Porto – B. Gonçalo de Amarante – MO
* Na Ordem Beneditina – B. Gonçalo de Amarante – MF; S. Gregório de Nissa, bispo – MF
* Na Ordem de São Domingos – B. Gonçalo de Amarante, presbítero – MO
* Nas Dioceses de Cabo Verde – Ofício e Missa da féria.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA
Sobre um trono elevado vi sentado um homem,
que uma multidão de Anjos adora, cantando em coro:
Eis Aquele que reina eternamente.


ORAÇÃO COLECTA
Atendei, Senhor, as orações do vosso povo;
dai-lhe luz para conhecer a vossa vontade
e coragem para a cumprir fielmente.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Hebr 2, 5-12
«Convinha levar à glória perfeita, pelo sofrimento,
o Autor da salvação»

Comentando o salmo 8, a leitura mostra que Jesus, para levar os homens à salvação, Se tornou semelhante a eles, até mesmo no sofrimento. Assim, durante certo tempo, sobretudo o da paixão, Ele Se colocou abaixo dos Anjos, para depois, ainda segundo o mesmo salmo, ser “coroado de glória e de honra.”

Leitura da Epístola aos Hebreus
Não foi aos Anjos que Deus submeteu o mundo futuro de que falamos. Alguém afirmou numa passagem da Escritura: «Que é o homem para que Vos lembreis dele, o filho do homem para dele Vos ocupardes? Vós o fizestes um pouco inferior aos Anjos, de glória e honra o coroastes, tudo submetestes a seus pés». Ao submeter-Lhe todas as coisas, Deus nada deixou fora do seu domínio. Por enquanto, ainda não vemos que tudo Lhe esteja submetido. Mas aquele Jesus, que, por um pouco, foi inferior aos Anjos, vemo-l’O agora coroado de glória e de honra por causa da morte que sofreu, pois era necessário que, pela graça de Deus, experimentasse a morte em proveito de todos. Convinha, na verdade, que Deus, origem e fim de todas as coisas, querendo conduzir muitos filhos para a sua glória, levasse à glória perfeita, pelo sofrimento, o Autor da salvação. Pois Aquele que santifica e os que são santificados procedem todos de um só. Por isso não Se envergonha de lhes chamar irmãos, ao dizer: «Anunciarei o teu nome aos meus irmãos, no meio da assembleia cantarei os teus louvores».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 8, 2a e 5.6-7.8-9 (R. cf. 7)
Refrão: Destes poder ao vosso Filho
sobre a obra das vossas mãos. Repete-se

Senhor, nosso Deus,
como é admirável o vosso nome em toda a terra!
Que é o homem para que Vos lembreis dele,
o filho do homem para dele Vos ocupardes. Refrão

Fizestes dele quase um ser divino,
de honra e glória o coroastes.
Destes-lhe poder sobre a obra das vossas mãos,
tudo submetestes a seus pés: Refrão

Ovelhas e bois, todos os rebanhos,
e até os animais selvagens,
as aves do céu e os peixes do mar,
tudo o que se move nos oceanos. Refrão


ALELUIA cf. 1 Tes 2, 13
Refrão: Aleluia. Repete-se.

Escutai o que diz o Senhor,
não como palavra dos homens,
mas como palavra de Deus. Refrão


EVANGELHO Mc 1, 21-28
«Ensinava-os como quem tem autoridade»

Passou o “Tempo do Natal”, o tempo das epifanias ou manifestações do Senhor. A leitura de hoje situa-nos na continuação das manifestações que revelam o mistério de Jesus. A doutrina que Ele ensina e o modo como a apresenta e o seu poder sobre os espíritos do mal deixam maravilhados quantos O escutam e O observam. De nada teria valido saber a história do Messias que, há dias, contemplámos nascido em Belém, se, escutando as suas palavras e vendo as suas obras, não soubéssemos responder àquela pergunta da leitura: “Que vem a ser isto?”

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Jesus chegou a Cafarnaum e quando, no sábado seguinte, entrou na sinagoga e começou a ensinar, todos se maravilhavam com a sua doutrina, porque os ensinava com autoridade e não como os escribas. Encontrava-se na sinagoga um homem com um espírito impuro, que começou a gritar: «Que tens Tu a ver connosco, Jesus Nazareno? Vieste para nos perder? Sei quem Tu és: o Santo de Deus». Jesus repreendeu-o, dizendo: «Cala-te e sai desse homem». O espírito impuro, agitando-o vio¬len¬tamente, soltou um forte grito e saiu dele. Ficaram todos tão admirados, que perguntavam uns aos outros: «Que vem a ser isto? Uma nova doutrina, com tal autoridade, que até manda nos espíritos impuros e eles obedecem-Lhe!». E logo a fama de Jesus se divulgou por toda a parte, em toda a região da Galileia.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai benignamente, Senhor, a oblação do vosso povo
e fazei que ela santifique a nossa vida
e torne eficaz a nossa oração.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 35, 10
Em Vós, Senhor, está a fonte da vida: na vossa luz veremos a luz.

Ou Jo 10, 10
Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso,
que nos alimentais com os vossos sacramentos,
dai-nos a graça de Vos servir com uma vida santa.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

B. GONÇALO DE AMARANTE, presbítero

 

 

Martirológio

Beato Gonçalo de Amarante, presbítero de Braga, que, depois de longa peregrinação à Terra Santa, entrou na Ordem dos Pregadores e finalmente se retirou para um ermo; fez construir uma ponte e ajudou muito os habitantes do lugar com a sua oração e pregação.

 

2.   Em Roma, no cemitério de Calisto, junto à Via Ápia, São Milcíades, papa, oriundo da África, que conheceu a paz da Igreja restabelecida pelo imperador Constantino e, sendo vítima dos ataques dos donatistas, actuou com grande prudência para alcançar a concórdia.

3.   Na Tebaida, região do Egipto, São Paulo, eremita, que abraçou a vida monástica desde os seus princípios.

4.   Em Nissa, na Capadócia, hoje Vedsehir, na actual Turquia, São Gregório, bispo, irmão de São Basílio Magno, insigne pela sua vida e doutrina, que, por ter proclamado a verdadeira fé, foi expulso da sua cidade no tempo do imperador ariano Valente.

5.   Em Jerusalém, São João, bispo, que, em tempo da controvérsia sobre a verdadeira doutrina, trabalhou arduamente pela fé católica e pela paz da Igreja.

6*.   Em Die, no território de Vienne, actualmente na França, São Petrónio, bispo, que anteriormente seguira a vida monástica na ilha de Lérins.

7.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Marciano, presbítero, que se empenhou com extraordinária diligência em ornamentar as igrejas e socorrer os pobres.

8*.   Em Limoges, cidade da Aquitânia, actualmente na França, São Valério, que abraçou a vida solitária. 

9*.   Em Melitene, na antiga Arménia, São Domiciano, bispo, que trabalhou intensamente pela conversão dos Persas.

10.   Em Roma, junto de São Pedro, o sepultamento de Santo Agatão, papa, que confirmou a integridade da fé contra os erros do monotelismo e promoveu sínodos para fortalecer a unidade da Igreja.

11*.   No território de Viviers, ao longo do Ródano, na França, Santo Arcôncio, bispo.                        

12.   No mosteiro de Cusan, nos montes Pireneus, São Pedro Urséolo, que depois de ter sido doge de Veneza se fez monge; foi célebre pela sua piedade e austeridade e passou a vida num ermo próximo do mosteiro.

13*.   No mosteiro de Cava de’ Tirréni, na Campânia, hoje região da Itália, o Beato Benincasa, abade, que enviou cem dos seus monges à Sicília para ocupar o cenóbio de Monreale recentemente fundado.

14.   Em Bourges, na Aquitânia, região da França, São Guilherme, bispo, que, aspirando ardentemente à vida de solidão e meditação, foi monge cisterciense em Pontigny, depois abade em Chalis e finalmente bispo da Igreja de Bourges; mas nunca abrandou a austeridade da vida monástica e distinguiu-se pela sua caridade para com o clero, os cativos e os indigentes.

15*.   Em Arezzo, na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, o passamento do Beato Gregório X, papa, que, sendo arcediago de Liège, foi eleito para a cadeira de Pedro: favoreceu de todos os modos a comunhão com os Gregos e, para promover a conciliação entre os cristãos e recuperar a Terra Santa, convocou o segundo Concílio Ecuménico de Lião.

16*.   Em Lorenzana, na Lucânia, na actual Basilicata, região da Itália, o Beato Egídio (Bernardino di Bello), religioso da Ordem dos Frades Menores, que viveu recluso numa gruta.

17*.   Em Arequipa, no Peru, a Beata Ana dos Anjos Monteagudo, virgem da Ordem dos Pregadores, que com o dom do conselho e da profecia promoveu o bem de toda a cidade.

18*.   Em Perúgia, na Itália, Santa Francisca de Sales (Leónia) Aviat, virgem, que se dedicou com amor materno e generosa solicitude à promoção da juventude e instituiu as Oblatas de São Francisco de Sales.

19*.   Em Madrid, na Espanha, a Beata Maria das Dores Rodríguez Sopeña, virgem, a qual, dando eminente testemunho de caridade cristã, se aproximou dos mais abandonados da sociedade do seu tempo, especialmente nos subúrbios das grandes cidades, e fundou o Instituto das Damas Catequistas e a Obra da Doutrina, para anunciar o Evangelho e promover os pobres e os operários nas questões sociais.