Cânticos do Ordinário da Missa

Preço: 10,00€

Ver

Semana Santa

Preço: 6, 00€

Ver

O Tempo da Quaresma

Preço: 5, 00€

Ver

A Eucaristia faz a Igreja

Preço: 3, 00€

Ver

Catequeses para a Iniciação Cristã dos Adultos

Preço: 15,00€

Ver

Faleceu Padre Augusto Frade

O nosso amigo Padre Manuel Augusto da Silva FRADE, da diocese de Coimbra, vogal do Serviço Nacional de Música Sacra, adormeceu no Senhor, depois de uma longa luta pela vida.

Continuar a ler

Porto: Encontros de formação de música litúrgica

No passado mês de Julho de 2016, o Secretariado Diocesano de Liturgia fez saber, através dos meios de comunicação da Diocese, da sua vontade e intenção de reativar o Serviço Diocesano de Música Litúrgica, por tudo o que este foi, semeou e representou na Diocese e por tudo o que terá que ser e representar na Diocese de hoje e amanhã que quer cantar os louvores de Deus com arte e com alma. Para tal, promoveu a realização de quatro encontros, distribuídos pelas quatro regiões pastorais da Diocese, no sentido de auscultar as preocupações, inquietações e anseios dos responsáveis dos coros: diretores, organistas, coordenadores.

Continuar a ler

A propósito da tradução litúrgica de uma palavra do Salmo 47 (46)

Tenho reparado na tradução de um dos versículos do salmo responsorial (Salmo 46) que se canta na Missa da Ascensão do Senhor: “…o Senhor, o Altíssimo, é terrível”. Verifico que o mesmo Salmo 46 aparece, com essa mesma tradução, noutros cânticos litúrgicos dos Padres Manuel Luís, Fernandes da Silva, Ferreira dos Santos, Carlos Silva. Mas encontrei algumas honrosas/felizes excepções, onde a palavra “terrível”, é assim substituída: “… o Senhor, o Altíssimo, é Sublime”, “… o Senhor é “excelso” e “portentoso”. Consultando um dicionário verifico que à palavra “terrível” são atribuídos os significados seguintes: “que inspira terror”; “medonho”; “assustador”; “extraordinário”; “grande”; “forte”; “violento”; “muito mau”. Com excepção de três destes significados, todos os demais são desagradáveis de ouvir, pelo sentido negativo que a palavra “terrível” inspira, se aplicada a Deus, que é “bondade”, “amor” e “misericórdia”. Então parece-me uma grande contradição continuarmos a cantar que “… o Senhor, o Altíssimo, é terrível” e, por isso, parece-me razoável que no Salmo 46 fosse substituída a palavra “terrível” por uma das que apontei atrás: “sublime”, “excelso”, “portentoso” ou outra de significado semelhante.

Continuar a ler