O ensino da Liturgia exige, a professores e alunos, a consulta de inúmeras obras antigas. Prova disso é a frequente citação de tais obras nas notas de rodapé dos manuais de Liturgia mais conhecidos e utilizados entre nós, antes e depois do Concílio Vaticano II.1 Acontece, porém, que nem todas as bibliotecas das nossas Escolas de Estudos Teológicos as possuem. Que fazer em tal situação? Este livro é uma pequena resposta a tal pergunta.

A cultura litúrgica do terceiro milénio não pode dispensar o conhecimento do muito que os Padres da Igreja, os Concílios e outros autores do primeiro milénio ensinaram, meditaram ou decidiram a propósito da Liturgia. Pensamos que a consulta desta obra de síntese poderá prestar algum serviço a quem desejar beber das nascentes mais primitivas deste grande rio, cuja fonte é a Liturgia Eterna simbolicamente descrita pelo Apocalipse e cuja torrente irriga sem cessar a Igreja fundada por Jesus Cristo.

Comecemos pelos Padres da Igreja. Não se podem estudar os Padres sem a Liturgia e não se pode estudar a Liturgia sem o conhecimento dos Padres. A realidade litúrgica exige a continuidade da transmissão da fé da Igreja em oração e da sua progressiva vitalização. Não se admire pois o leitor do espaço privilegiado que aqui ocupam homens como Agostinho de Hipona,2 Gregório de Nissa, 3 João Crisóstomo,4 Ambrósio de Milão,5 Cipriano de Cartago,6 Cesário de Arles,7 e muitos outros. Os textos desta Antologia não se estudam como reevocação arqueológica, mas tornando à fonte perene da Igreja.

Passemos aos Concílios. A partir do século IV, muitos foram os Concílios ecuménicos e regionais que se ocuparam da vida litúrgica das comunidades cristãs. Ao longo do primeiro milénio, não houve problemas, grandes ou pequenos, de ordem celebrativa, para os quais não fossem procuradas respostas consensuais nessas reuniões, quase sempre expressas em palavras breves, que após aprovação da maioria dos bispos presentes se tornavam normas a observar por todos aqueles a quem diziam respeito. Esta Antologia transcreve cerca de 500 dessas decisões conciliares, a começar pelos Concílios de Elvira e de Niceia.

Como seria de esperar numa obra deste género, aqui encontrará o leitor os textos fundamentais que testemunham a liturgia celebrada através dos séculos (Didaqué, Tradição Apostólica, Constituições Apostólicas, Eucológios, Sacramentários, Ordines Romani, Pontificais, etc.), os testemunhos ímpares de autores que falam da respectiva experiência litúrgica (Inácio de Antioquia, Hermas, Justino, Ireneu, Clemente de Alexandria, Tertuliano, Orígenes, Serapião, Atanásio de Alexandria, Efrém de Edessa, Basílio de Cesareia, Etéria, Cirilo de Jerusalém, Jerónimo, Cirilo de Alexandria, Leão Magno, Gregório Magno, etc.), sem esquecer muitos outros textos de índole espiritual, que pela sua qualidade literária e doutrinal bem mereciam ser incluídos nesta obra, num tempo em que, Liturgia e Espiritualidade, querem caminhar juntas.

Que escolhas fazer ao elaborar uma Antologia Litúrgica do Primeiro Milénio? Acabámos por seguir a orientação sugerida pelas notas de rodapé dos compêndios de Liturgia, donde resultou uma colectânea simultaneamente rica e prática, mas que é uma simples colectânea. Não se lhe peça o que ela não é.

Foi preciso traduzir a maior parte dos textos que se apresentam. Para o fazer servimo-nos das suas versões, eventualmente já existentes nas línguas modernas, mas consultando sempre o original,8 a fim de esclarecer o sentido de palavras ou frases obscuras. Neste trabalho, deram-nos ajudas preciosas e determinantes o Padre Sebastião Ferreira de Faria, sj, a quem recorremos nas maiores dificuldades de tradução e interpretação dos textos latinos, e o Cónego Manuel da Silva Gaspar na leitura e revisão da maior parte do texto. Deus lhes pague.

Nas 2028 páginas desta Antologia encontrará o leitor uma ampla e variada informação sobre a liturgia do primeiro milénio da era cristã, vivida, meditada, transmitida e comentada pelos seus 278 autores, uns mais conhecidos outros menos, e até mesmo anónimos, que trabalharam nalguma das 736 obras seleccionadas, e nos milhares de títulos que as compõem. Em nota citam-se alguns textos em latim e eventualmente algumas palavras em grego. Fizemo-lo sempre que isso nos pareceu de particular interesse. O ideal teria sido publicar todos os documentos nas suas línguas originais.

Durante a fase da recolha de textos foram-nos facultados alguns dos Esquemas celebrativos distribuídos aos Padres do Concílio Vaticano II. Apesar de tais esquemas pertencerem ao final do segundo milénio, achámos que os devíamos incluir nas últimas páginas da colectânea, pelo interesse que têm para o estudo das Liturgias Orientais.

Bendito seja Deus Pai. Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo. Ilumine‑nos o Espírito Santo, o Dom de Deus. Mãe da Igreja, rogai por nós.

 

José de Leão Cordeiro

_____

1     Antes do Vaticano II: Dom António Coelho, Curso de Liturgia Romana, 2 vol., Mosteiro de Singeverga 1941; M. Righetti, Storia Liturgica [BAC, Historia de la Liturgia, 2 vol.], Madrid 1955-1956; L. Eisenhofer, Compêndio de Liturgia Católica, Herder, Barcelona 1956; I. H. Dalmais, Initiation à la Liturgie, Desclée, Paris 1958; J. A. Jungmann, Missarum Sollemnia, 2 vol. [BAC, El Sacrificio de la Misa], Madrid 1959; A. G. Martimort, L’Église en Prière, Desclée, Paris 1961; J. A. Jungmann, A Liturgia da Igreja, Livraria do Apostolado da Imprensa, Porto 1962.

      Depois do Vaticano II: A. G. Martimort, A Igreja em Oração, Mosteiro de Singeverga 1965; S. Marsili, Anámnesis, 8 vol., Marietti, Torino 1974; A. G. Martimort, L’Église en Prière (édition nouvelle), 4 vol., Desclée, Paris 1984; J. A. Abad Ibáñez-M. Garrido Bonaño, Iniciación a la Liturgia de la Iglesia, Palabra, Madrid 1988; A. G. Martimort, A Igreja em Oração, 4 vol., Vozes, Petrópolis 1989; S. Marsili, Anámnesis, 8 vol., Paulinas, São Paulo 1989; D. Borobio, La celebración en la Iglesia, 3 vol., Sigueme, Salamanca 1991; J. L. Martín, La Liturgia de la Iglesia, BAC, Madrid 1994; M. Augé, Liturgia, Centre de Pastoral Litúrgica, Barcelona 1995; A. J. Chupungco, Scientia Liturgica, 5 vol., Pontificio Istituto Liturgico Sant’Anselmo, Piemme, Roma 1999-2000; A. Adam, Corso di liturgia, Brescia 2000; Centre National de Pastorale Liturgique, Paris (ed.), Exsultet. Encyclopédie pratique de la liturgie, Paris 2000; S. Rosso, Un popolo di sacerdoti. Introduzione alla liturgia, Leumann (Torino) 2007; J. F. C. Esteves-J. M. G. Cordeiro, Liturgia da Igreja (Estudos teológicos 29), Lisboa 2008; A. Saberschinsky, La liturgia, fede celebrata. Introduzione allo studio della liturgia, Brescia 2008; A. Gerhards, La liturgia della nostra fede, Bose 2010; A. Grillo, Introduzione alla teologia litúrgica. Approccio teorico alla liturgia e ai sacramenti cristiani, Padova 2011. P. A. Muroni, Il mistero di Cristo nel tempo e nello spazio. La celebrazione cristiana (Urbaniana University Press, Manuali Teologia 38) Roma 2014.

2     314 páginas de texto.

3     64 páginas de texto.

4     58 páginas de texto.

5     53 páginas de texto.

6     48 páginas de texto.

7     40 páginas de texto.

8     Seguimos, sempre que possível, a Patrologia de Migne (PG e PL).